Chirac diz que África apóia esforço contra a guerra

As nações africanas - três delas, membros temporários do Conselho de Segurança da ONU - apóiam, "por unanimidade", o ponto de vista de que as inspeções de armas, e não a guerra, são o melhor caminho para desarmar o Iraque, afirmou o presidente da França, Jacques Chirac.O mandatário francês, falando no encerramento de dois dias de uma reunião franco-africana realizada em Paris, manteve-se firme em sua crença de que uma solução pacífica para o Iraque ainda é possível. Os líderes e os enviados especiais à conferência - de todas as nações africanas, com exceção da Somália, que não tem um governo reconhecido internacionalmente - têm posições "idênticas" à da França, segundo Chirac."Tudo justifica que o objetivo seja atingido através de práticas pacíficas, através de inspeções e não pela força militar (...)", disse Chirac. Ontem, os delegados emitiram um breve comunicado no qual afirmam que a guerra deveria ser a última escolha.Como membro permanente do Conselho de Segurança e com direito a veto, a França vem lutando para brecar os movimentos dos EUA em direção à guerra. Três países africanos - Angola, Camarões e Guiné - ocupam atualmente cadeiras de membros rotativos no conselho. Não ficou claro se o fato de estas três nações terem assinado o comunicado contra a guerra significa que elas votarão contra qualquer resolução do CS que abra o caminho para um conflito armado.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.