Choque de avião na Flórida foi intencional

O piloto do avião Cessna que nosábado chocou-se contra um edifício de escritórios em Tampa, naFlórida, levava no bolso um bilhete no qual expressava"simpatia" pelo terrorista saudita Osama bin Laden e declaravaque estava agindo "sem a ajuda de ninguém", informou hoje ochefe de polícia de Tampa, Bernie Holder. "Eu caracterizo essanota como o bilhete de um suicida", disse Holder. "Ele diziasimpatizar-se com Bin Laden e os eventos de 11 de setembro." Charles Bishop, de 15 anos, aluno de uma escola de pilotagem,voava sem autorização e ignorou as advertências para queaterrissasse, enviadas por um helicóptero da Guarda Costeira queo perseguia. Dois caças F-15 decolaram de uma base aérea dasproximidades de Tampa para interceptar o Cessna, mas só chegaramdepois do choque. Inicialmente, as autoridades da Flórida haviam informado queas investigações do incidente não apontavam na direção de umataque terrorista, mas o bilhete suicida amplia a hipótese deque Bishop provocou o choque. "Era um jovem perturbado",acrescentou Holder. "Tinha poucos amigos e era muitosolitário." O choque ocorreu depois que a avó de Bishop o levou à escolade vôo da Academia Nacional de Aviação, para uma aula, segundoMarianne Pasha, porta-voz do escritório do xerife do Condado dePinellas. Ela informou que um instrutor recomendara a Bishop queverificasse o equipamento do Cessna 2000 modelo 172R, de quatrolugares, antes do início da aula. O jovem, porém, iniciou adecolagem. Após o choque, a cauda do avião ficou pendurada perto do 28ºandar do edifício do Bank of America, de 42 andares. Apenasalguns funcionários de um clube estavam no edifício na hora dacolisão. Nenhum deles foi ferido. Michael Cronin, advogado da Academia Nacional de Aviação,informou que Bishop estava tendo aulas desde março de 2001 ehavia tido cerca de seis horas de vôo; ainda faltava um ano paraBishop poder pilotar um avião sozinho, e dois anos anos paraobter sua licença de piloto. "A conclusão é a de que ele, sem dúvida, roubou o avião,"explicou Cronin.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.