Choque de trens na China mata 70 e fere 400

Trem que ia de Pequim a Qingdao acima da velocidade descarrila e bate em outro no sentido contrário, no pior acidente ferroviário do país desde 1997

Cláudia Trevisan, O Estadao de S.Paulo

29 de abril de 2008 | 00h00

Pelo menos 70 pessoas morreram e 400 ficaram feridas na colisão de dois trens de passageiros no leste da China, no mais grave acidente do tipo desde 1997. Das centenas de pessoas levadas a hospitais, 70 estão em situação crítica. O acidente foi provocado pelo descarrilamento de um trem de alta velocidade que ia de Pequim para Qingdao, cidade litorânea que será sede das provas de iatismo dos Jogos Olímpicos, em agosto. O trem chocou-se às 4h43 na localidade de Zibo com outro que vinha em sentido contrário, do balneário de Yantai para a cidade de Xuzhou.Trata-se do segundo acidente do ano com trens de alta velocidade na Província de Shandong, ao sul de Pequim. Em janeiro, outro trem descarrilou e atingiu um grupo de 100 operários que faziam a manutenção da linha, provocando a morte de 18 deles. Em 1997, o choque entre dois trens na Província de Hunan deixou 126 mortos.O novo acidente ocorreu a poucos dias do feriado de 1º de Maio, durante o qual milhões de chineses devem viajar. Trens são o mais popular meio de transporte da China, que responde por 25% do tráfego ferroviário do mundo, apesar de ter apenas 6% das linhas. No ano passado, o sistema chinês transportou 1,36 bilhão de passageiros, pouco abaixo do 1,4 bilhão registrado na Índia. A imprensa oficial demorou para divulgar o acidente. No fim da manhã, os principais sites de notícia ainda não traziam a informação e o primeiro registro só apareceu no China Daily, publicado em inglês, no horário do almoço. Na TV, o acidente foi tratado com extrema parcimônia, mesmo nos canais por cabo dedicados exclusivamente a notícias. Na noite de ontem, a notícia do choque de trens não estava entre as principais dos sites jornalísticos do país.As imagens do local do acidente mostravam dez vagões do trem que descarrilou tombados em uma área de terra. Equipes de resgate trabalharam todo o dia para retirar mortos e feridos dos destroços.Entre os feridos, há quatro franceses que sofreram fraturas e uma criança chinesa de 3 anos. As autoridades de Pequim descartaram a possibilidade de algum ato de terrorismo ou sabotagem ter provocado o choque. De acordo com uma investigação preliminar, o acidente teria sido causado por falha humana. Pouco antes da colisão, o trem estaria a uma velocidade de 131 km/h, acima do limite de 80 km/h permitido para o trecho onde houve o descarrilamento, segundo a imprensa oficial.Dois diretores do Ministério das Ferrovias na Província de Shandong foram afastados e postos sob investigação. Com 76 mil quilômetros de extensão, a malha ferroviária chinesa é a segunda maior do mundo - menor apenas que a da Rússia. Nos últimos anos, a China elevou a velocidade de seus trens em seis ocasiões. A última delas foi em abril de 2007, quando 6 mil quilômetros de linhas passaram a ter uma velocidade de até 200 km/h. Centenas de operários trabalharam durante todo o dia de ontem para restaurar a ferrovia, que as autoridades esperam reabrir até as 8 horas locais de hoje.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.