Choque entre islâmicos e Exército mata 64 no Iêmen

Um ataque de uma organização terrorista ligada à Al-Qaeda contra um posto do Exército do Iêmen localizado no sul do país desencadeou um confronto que deixou 64 mortos no início da manhã de ontem. Militares e civis relataram à agência Associated Press que os moradores da região pegaram em armas para lutar contra os militantes juntamente com os soldados.

SANAA, O Estado de S.Paulo

10 de abril de 2012 | 03h02

A ação armada de ontem foi a mais recente batalha da organização Ansar al-Sharia no sentido de ampliar e consolidar seu poder sobre o sul iemenita, onde a milícia islâmica assumiu o controle de diversas localidades no ano passado, aproveitando-se dos levantes populares contra o governo de Ali Abdullah Saleh, que deixou a presidência no fim de fevereiro.

A organização fundamentalista aparenta estar na ofensiva, atacando postos militares e tomando posições do Exército no sul iemenita, apesar de sofrer alguns revezes. O ataque de ontem ocorreu na cidade de Lawder, na Província de Abyan, 250 quilômetros a sudeste da capital, Sanaa.

Representantes das Forças Armadas e moradores da região afirmaram que 40 insurgentes e 18 militares - entre eles um coronel - foram mortos no confronto. Seis civis aliados ao Exército também morreram na ação.

Com poucos equipamentos e o moral baixo, em razão de inúmeras deserções, os militares do sul iemenita não têm conseguido combater sozinhos os militantes islâmicos que atuam na região. Em cidades como Lawder, moradores insatisfeitos com a falta de capacidade do novo governo - liderado pelo presidente Abd-Rabbu Mansour Hadi - de controlar a segurança têm pegado em armas para se proteger.

"O objetivo da Al-Qaeda é conquistar nossa cidade, mas nosso objetivo é mantê-la fora daqui", disse o líder comunitário Mohammed Aydroos, afirmando que foi baleado no ombro durante o ataque de ontem, mas não abandonará sua luta. "Queimamos três carros deles e matamos vários combatentes."

Jihad Hafeez, que integra uma organização civil que luta contra os militantes islâmicos em Lawder, afirmou que os extremistas resistiram até a tarde, quando foram expulsos da cidade. Mas os militares disseram que os insurgentes combateram até o início da noite.

A Al-Qaeda já esteve presente em Lawder, mas foi expulsa da região em julho. / AP e REUTERS

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.