REUTERS/Osama Nageb
REUTERS/Osama Nageb

Colisão de trens no Egito deixa ao menos 43 mortos

Acidente ocorreu nos arredores de Alexandria, uma das maiores cidades do país, e já é o mais mortífero caso envolvendo transporte ferroviário desde 2013; choque teria sido causado pela parada repentina de um dos trens na via

O Estado de S.Paulo

11 Agosto 2017 | 11h21
Atualizado 11 Agosto 2017 | 20h15

CAIRO - Pelo menos 43 pessoas morreram e 122 ficaram feridas na colisão de dois trens nesta sexta-feira, 11, na periferia da cidade de Alexandria, no norte do Egito, informou o vice-ministro da Saúde, Sharif Wadi, à televisão estatal.

A maioria dos feridos foi levada para diferentes hospitais de Alexandria, de acordo com nota divulgada pelo ministério. Imagens exibidas pela TV estatal egípcia mostram um dos trens parcialmente virado, um vagão descarrilado e membros das equipes de resgate transportando mortos e feridos.

Cerca de 25 ambulâncias foram enviadas para a área do acidente, afirmou Ahmed El-Ansari, da equipe de socorristas.

A colisão teria sido causada pela parada de um dos trens na via férrea após sofrer uma pane, informou a televisão pública, citando uma fonte do Ministério dos Transportes. O outro trem teria batido na sequência.

Em estado de choque, os sobreviventes eram retirados dos vagões e colocados em cobertores dispostos ao longo de ambos os lados da via em um campo na periferia dessa grande cidade mediterrânea.

Outros casos. Esse já trata-se do mais mortífero acidente ferroviário desde a colisão, em novembro de 2013, de um trem com um ônibus no sul do Cairo. O episódio deixou 27 mortos.

Em 2012, 51 passageiros morreram no choque de seu ônibus de viagem e um trem, em uma passagem de nível na província de Assiout, no centro do país.

E em 2002, o incêndio de um trem deixou 373 mortos, em um ponto 40 quilômetros ao sul do Cairo. Foi o pior acidente desse tipo na história do país e um dos mais graves no mundo nos últimos 20 anos. / AFP e REUTERS

Mais conteúdo sobre:
Egito [Ásia]

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.