Choques em Basra matam dois iraquianos

Soldados britânicos e milicianos leais ao clérigo muçulmano xiita Moqtada al-Sadr se enfrentaram neste sábado em intenso tiroteio em Basra, no sul do Iraque, causando a morte de pelo menos dois iraquianos. Um militar britânico ficou ferido. De acordo com fontes em Londres, a milícia de Al-Sadr (Brigadas Al-Mahdi) lançou a ofensiva numa frustrada tentativa de tomar o controle da cidade. Choques com partidários de Al-Sadr ocorriam hoje também nas cidades de Najaf, Kufa e Kerbala. Em Nassíria, soldados italianos detiveram o principal representante de Al-Sadr na cidade, Moayad al-Asadi. A oeste de Bagdá, a explosão de uma bomba de beira de estrada deixou sete prisioneiros iraquianos feridos no momento em que eram escoltados em um comboio americano entre Ramadi e Habaniyah, informaram fuzileiros navais americanos. Os prisioneiros estavam prestes a ser liberados. Fuzileiros navais perseguiram suspeitos pelo ataque. Um suposto militante morreu durante tiroteio e outro foi capturado. Dois poloneses morrem Também neste sábado, dois soldados poloneses morreram no Iraque. Um deles perdeu a vida em um acidente automobilístico. O outro morreu ao pisar em uma armadilha explosiva improvisada. As novas mortes elevaram a quatro o número de soldados poloneses que perderam a vida no Iraque. Em Bagdá, cerca de 500 personalidades políticas, religiosas, tribais e ativistas de direitos humanos se reuniram neste sábado para formar a primeira frente política contra a ocupação do Iraque. "Nosso programa busca o fim da ocupação e a unidade nacional", disse o secretário-geral da recém criada Conferência Nacional Iraquiana Contra a Ocupação, xeque Yawad al-Khalesi.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.