Choques entre talebãs e militares matam 105 no Afeganistão

Uma das ondas mais selvagens de violência desde que os talebãs foram retirados do poder do Afeganistão começou no país nesta quinta-feira, com as forças da coalizão lideradas pelos Estados Unidos entrando em vários combates com insurgentes. Dois carros-bomba e um ataque rebelde massivo em um vilarejo deixaram mais de 105 pessoas mortas.A maior parte dos ataques e confrontos ocorreu nas províncias de Helmand e Kandahar, onde tropas da Otan estão agendadas para se mobilizar nos próximos meses. Os confrontos no país nunca foram tão violentos quanto os das últimas 24 horas.O número de talebãs mortos na noite de quarta-feira e nesta quinta chegou a 87, disseram oficiais afegãos e americanos. Outros 15 policiais afegãos, um civil americano, um soldado canadense e um civil afegão foram vítimas fatais dos ataques, que se concentraram na fronteira com o Paquistão.Cronologia dos confrontosA onda de violência começou após um ataque rebelde a um quartel-general da polícia e do governo em Musa Qala, na província de Helmand. O ministro do Interior disse que cerca de 40 militantes foram mortos nesse primeiro ataque, mas a polícia afirmou que resgatou apenas 14 corpos.O ministro do Interior disse que 13 policiais foram mortos e cinco feridos neste primeiro confronto.O ataque foi revidado graças a reforços de tropas policiais afegãs, fazendo os insurgentes fugirem, disse o porta-voz do exército britânico, capitão Drew Gibson, que tem tropas na província de Helmand.Enquanto isso, a coalizão liderada pelos EUA disse que 27 talebãs foram mortos durante uma operação na província vizinha de Helmand, Kandahar, na quinta-feira. O exército disse que o número confirmado era de 7 mortos e que de 15 a 20 rebeldes poderiam ter sido mortos em bombardeio no vilarejo de Azizi.Em uma outra batalha em Kandahar, um soldado canadense e cerca de 18 talebãs foram mortos na noite de quarta-feira, disse o porta-voz do exército canadense, major Scott Lundy. Os soldados canadenses estavam apoiando as forças afegãs em uma missão contra rebeldes talebãs no distrito de Panjwayi quando foram atacados com lança-granadas e armas de fogo de pequeno porte, disse Lundy.Uma soldado, a capitã Nichola Goddard, foi morta no confronto, disse o porta-voz. Três soldados afegãos foram feridos e cerca de 35 militantes foram presos, disse Lundy.Uma bomba explodiu ao lado de uma estrada da cidade de Kandahar, atingindo um comboio do exército afegão nesta quinta-feira, ferindo dois civis, disse o policial Sher Shah. Nenhum soldado foi atingido.Um carro-bomba, na cidade de Herat, próxima à fronteira iraniana, matou um civil americano em um treinamento de um projeto policial do Departamento do Estado, disse o porta-voz da embaixada americana, Chris Harris. Dois outros americanos foram feridos, disse Harris.A cidade de Herat, que não é uma área talebã, tem sido uma área livre da violência neste ano, mas os militantes têm ampliado as suas ações para fora de suas bases, atingindo toda a fronteira paquistanesa.Um segundo ataque de carro-bomba ocorreu perto dos portões de uma base do exército afegão na cidade de Ghazni, disse o porta-voz da província, Sher Alam.A explosão deixou o motorista do carro-bomba morto, e dois civis que passavam pelo local feridos. Nenhum soldado dentro da base foi ferido.Ainda em Ghazni, rebeldes emboscaram duas patrulhas policiais, matando dois oficiais e ferindo cinco, disse Alam.Ajuda da Grã-BretanhaForças britânicas ajudaram a retirar a maior parte da população de Helmand devido aos ataques, mas não proveu ajuda militar, em parte para deixar que a polícia afegã mostrasse que eles conseguem derrotar os insurgentes."Se eles expulsarem os talebãs, ganharão muito crédito", disse Alam. "A Polícia Afegã Nacional demonstrou que retomou o controle de Musa Qala", completou.Lundy disse que os comandantes do exército estudam se a uma conexão direta entre os combates em Helmand e Kandahar. Lundy ainda informou que a única conexão encontrada até agora é de que todos os rebeldes eram talebãs.A escalada da violência no sul, com militantes lançando cada vez mais ataques cada vez mais poderosos e utilizando homens-bomba, aumentam enquanto a OTAN se prepara para assumir o controle das operações de segurança da coalizão liderada pelos EUA, que têm caçado talebãs e militantes da Al-Qaeda na região desde 2001.As tropas do Canadá, Grá-Bretanha e Holanda estão baseadas na região sul.O parlamento canadense aprovou, com maioria mínima, que as tropas do país continuem sua missão no Afeganistão por mais dois anos, até fevereiro de 2009.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.