Chuva complica trabalho de resgate em Nova York

A chuva fina e o vento forte complicavam nesta sexta os trabalhos de resgate nos escombros do World Trade Center, em Nova York, reduzindo a esperança de se encontrarem mais sobreviventes entre os cerca de 5 mil desaparecidos no ataque de terça-feira.Além de grupos voluntários, aproximadamente 1.500 membros da Guarda Nacional do Estado participam dos trabalhos e receberam nesta sexta os cumprimentos do presidente americano, George Bush.DesmentidosA exemplo do que ocorrera na véspera, versões de imprensa circulavam sobre o resgate de dez sobreviventes, que teriam ficado presos num bolsão de ar sob os escombros da torre 1, mas a versão foi desmentida.Na quinta-feira, porta-vozes oficiais anunciaram o resgate de cinco bombeiros que teriam sobrevivido no interior de um furgão sob as ruínas da torre 2, mas a notícia foi desmentida mais tarde, quando se esclareceu que as pessoas "resgatadas" eram membros das equipes de socorro que tinham caído num buraco quando vasculhavam a montanha de escombros.IsolamentoO total isolamento da área de desastre tem sido a causa das informações desencontradas. Os socorristas são os únicos autorizados a aproximar-se dos escombros, e os jornalistas são mantidos à distância de vários quarteirões.Para tentar evitar novos equívocos, as autoridades proibiram nesta sexta-feira os membros das equipes de socorro de dar entrevistas. "Não dormimos há 40 horas", disse, ignorando a proibição, o voluntário de Massachusetts Fred Golde, que, com seu cão pastor alemão, Amal, participou de outros trabalhos de resgate após desastres naturais na Índia, Nicarágua e Venezuela.?Só cadáveres?Indagado sobre se tinha visto as equipes resgatarem alguém com vida, Golde declarou que não. "Só encontramos cadáveres, e poucos deles inteiros. Estamos recolhendo pés, braços, pernas, cabeças, etc."De acordo com uma lista provisória, feita com base em números fornecidos por empresas que tinham escritórios no World Trade Center, estão desaparecidas 4.763 pessoas. Os edifícios que se localizam ao redor do local de onde se erguiam as duas torres - alguns dos quais são utilizados como centros logísticos para trabalhos de resgate - também estão com suas fundações comprometidas.EsforçoApós a tragédia, o esforço agora dos nova-iorquinos é dedicado a tentar retomar a vida normal. Nesta sexta-feira, muitos dos moradores da cidade saíram às ruas para participar dos serviços religiosos que se realizaram em todo o país. Todas as noites desde o atentado, grupos de moradores têm-se reunido nas praças em vigília pela paz.Em meio à dor de parentes e amigos das pessoas que permanecem desaparecidas, os atentados tiveram como efeito colateral a reabilitação da imagem do prefeito de Nova York, Rudolph Giuliani.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.