Chuva deixa 2 mil turistas presos perto de Machu Picchu

Segundo o Itamaraty, há relatos de que brasileiros possam estar entre os turistas.

BBC Brasil, BBC

25 de janeiro de 2010 | 18h51

As fortes chuvas que atingem a região de Cuzco, no Peru, bloquearam a ferrovia que dá acesso ao sítio arqueológico de Machu Picchu, deixando 2 mil turistas presos em Águas Calientes, cidade próxima ao local.

Segundo o Itamaraty, há relatos de que brasileiros estejam entre os turistas presos.

O ministro do Comércio e Turismo, Martin Perez, afirmou nesta segunda-feira que os turistas, vindos também da Europa, dos Estados Unidos e de outros países da América Latina, serão removidos por helicóptero. Eles serão levados para a cidade de Ollantaytambo.

Na operação de resgate, serão usados seis helicópteros policiais e militares, e as crianças e idosos terão prioridade de embarque.

Perez disse que os turistas estão "presos em hotéis, pousadas e na estação de trem em Águas Calientes" após os deslizamentos de terra causados pela chuva.

Chuvas

O acesso a Machu Picchu, principal destino turístico do Peru, está bloqueado desde sábado. A companhia ferroviária responsável pela via de acesso à antiga cidade inca, PeruRail, suspendeu os serviços entre Cuzco e Águas Calientes, e os voos comerciais entre Lima e Cuzco também foram cancelados.

De acordo com a porta-voz da Peru Rail, Soledad Caparo, a empresa já está trabalhando para limpar o trecho afetado da ferrovia e retirar a lama que cobre os trilhos.

Centenas de caminhões e ônibus ficaram parados em duas das principais estradas da região.

Nos último três dias, as chuvas que transbordaram os rios Vilcanota e Rio Blanco provocaram duas mortes, causaram inundações em cerca de 50 casas da região e destruíram centenas de hectares de plantações de milho.

As chuvas danificaram as ruínas de diversos sítios arqueológicos do Peru.BBC Brasil - Todos os direitos reservados. É proibido todo tipo de reprodução sem autorização por escrito da BBC.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.