Chuvas causam inundações e deixam 4 mortos na Itália

Tempo ruim afeta região central do país; nível dos canais de Veneza sobe 1,5 metro e turistas ficam com água até a cintura

ROMA, O Estado de S.Paulo

14 de novembro de 2012 | 02h06

As enchentes que ontem castigaram a região central da Itália pelo terceiro dia consecutivo deixaram quatro mortos na Toscana. As inundações interromperam o trânsito na principal rodovia que liga o norte e o sul do país.

Três funcionários da Empresa Nacional de Energia Elétrica da Itália (Enel) morreram quando o carro que os levava para reparar uma linha de transmissão caiu de uma ponte que havia desabado, em Grosseto.

Na mesma região, na localidade de Capalbio, um homem de 73 anos morreu ao tentar cruzar uma estrada inundada. Seu carro foi arrastado pela correnteza. Segundo a polícia, o automóvel ficou submerso. "Vi pelo menos seis pontes destruídas nas montanhas, inundações e deslizamentos de terra. Vinhedos e campos de oliveiras, varridos. A inundação foi devastadora", disse Roberto Pucci, chefe de governo da Província de Massa-Carrara.

O governador da Toscana, Enrico Rossi, pediu equipamentos de bombeamento e material de emergência à região vizinha de Emilia-Romagna, também castigada pelo mau tempo. Rossi também pediu a Roma que mande unidades militares para assistência a desabrigados nas cidades de Grosseto, Arezzo e Siena.

A Cruz Vermelha deslocou 150 voluntários para trabalhar em cozinhas comunitárias de emergência instaladas na região. Os canais de Veneza elevaram-se 1,5 metro em razão das chuvas, atingindo o sexto maior nível desde que a medição começou, em 1872. Moradores e turistas que se aventuraram nas ruas enfrentaram água até a cintura. Visitantes usaram trajes de banho para sentar-se às mesas externas dos cafés e foram vistos nadando diante de pontos turísticos. Desde 2000, foi a quarta vez que Veneza sofreu com cheias sem precedente. As autoridades locais atribuíram a enchente à mudança climática global. / REUTERS e AFP

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.