PRAKASH MATHEMA / AFP
PRAKASH MATHEMA / AFP

Chuvas deixam 191 mortos em Bangladesh, no Nepal e na Índia

Chuva de monções mais intensa neste ano assusta países da Ásia; na Índia, há 45 pessoas desaparecidas

Redação, O Estado de S.Paulo

20 de julho de 2020 | 21h41

NOVA DÉLHI  - Pelo menos 191 pessoas morreram nas inundações e deslizamentos de terras causados pelas chuva de monções em Bangladesh, no Nepal e na Índia, anunciaram autoridades dos países do sul da Ásia – que se preparam para que haja mais enchentes nos próximos dias. 

“As inundações estão se deslocando rapidamente e é uma das mais fortes dos últimos anos em Bangladesh, Índia e Nepal”, afirmou Antony Balmain, funcionário da Federação Internacional da Sociedades da Cruz Vermelha.

As monções – que geralmente ocorrem de junho a setembro – são cruciais para as economias locais, mas também causam destruição e morte na região todos os anos. 

Em Bangladesh, 67 pessoas morreram e 2,6 milhões ficaram desabrigadas. Segundo o chefe do centro de alerta e de previsão de inundações do Bangladesh, Arifuzzaman Bhuiyan, “o nível das águas dos rios está aumentando de novo no norte”.

Um terço do território do Bangladesh está inundado e as autoridades preveem que o número possa subir para 40%. “Essas serão as piores inundações em uma década”, afirmou.

No Nepal, 79 pessoas morreram e 46 estão desaparecidas por causa das inundações e deslizamentos de terras. O governo local alertou que as inundações podem piorar nos próximos três dias.

Na Índia, as inundações causaram 45 mortos no Estado de Assam, ao nordeste do país, durante as duas últimas semanas, de acordo com as autoridades. 

No país, os moradores e os serviços de socorro enfrentam uma dupla ameaça: as inundações e o novo coronavírus, que em Assam já contaminou mais de 17 mil pessoas. 

Mais de 100 animais do parque nacional de Kaziranga, classificado como patrimônio mundial da Unesco, morreram nas enchentes que atingiram o local. /AFP

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.