Chuvas deixam 34 mortos e 87 desaparecidos na China

Houve deslizamentos de terra, danos nas estradas e casas e corte de eletricidade e na comunicação

Efe,

19 de julho de 2010 | 06h04

 

PEQUIM - Ao menos 34 pessoas morreram e outras 87 permanecem desaparecidas após a passagem do pior temporal neste ano nas províncias de Sichuan, no sudoeste do país, e Shaanxi, no centro, dois das mais afetadas pelas inclemências climáticas, informou nesta segunda-feira, 19, a agência oficial de notícias Xinhua.

 

As inundações provocadas por estas tempestades, que castigaram 62 distritos e cidades de Sichuan, forçaram a evacuação de 800 mil pessoas, provocaram deslizamentos de terra, a derrubada de casas, cortaram estradas e a eletricidade e deixaram sem comunicação a algumas zonas.

 

O governo provincial destinou 5 milhões de iuanes (US$ 737 mil) para os trabalhos de resgate. Desde o último dia 1º, 146 pessoas morreram e outras 40 desapareceram na China por causa dos temporais. Além disso, 1,3 milhão de pessoas tiveram de abandonar suas casas.

 

As fortes chuvas são frequentes na China entre os meses de junho e setembro, sobretudo na metade sul. Neste ano, o país enfrenta as piores enchentes desde 1998, quando milhares de pessoas foram vítimas dessas tragédias.

 

Neste ano, segundo o Escritório Estatal de Controle de Enchentes e Secas, as chuvas, enchentes e deslizamentos deixaram 594 mortos e 212 desaparecidos em 26 províncias. A estes números, somam-se 120 bilhões de iuanes (US$ 17,714 bilhões) em prejuízos, 95,5 milhões de pessoas desabrigadas, 590 mil casas arrasadas e 6,16 milhões de hectares de cultivo danificados.

Tudo o que sabemos sobre:
chuva, China, mortos, desaparecidos

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.