Chuvas deixam mais de 240 mortos no Caribe

Agentes de resgate sepultaram dezenas de cadáveres enlameados, já inchados, numa vala comum, enquanto a cifra de mortos pelo transbordamento de rios na República Dominicana e no Haiti, países que ocupam uma mesma ilha no Caribe, se elevava a pelo menos 250, segundo autoridades. Parentes de vítimas escavavam a lama em busca de corpos, depois das chuvas que arrasaram a ilha Hispaniola, dividida pelos dois países. Na cidade dominicana de Jimani, próxima à fronteira com o Haiti, foram encontradas até agora 130 vítimas fatais das enchentes. Parentes enterraram 70 cadáveres em caixões de madeira e metal, e 60 corpos, não reclamados, foram sepultados numa vala comum. O Ministério do Interior do Haiti disse que pelo menos 83 pessoas morreram no sul e oeste do país, e outras 62 estavam desaparecidas, principalmente na aldeia de Fonde Verrette, próxima a Jimani. No entanto, segundo testemunhas, há pelo menos 110 mortos no Haiti. As inundações dos últimos dias foram as mais mortíferas da história recente das duas nações. Em 1994, deslizamentos de terra provocados pela tormenta tropical Gordon mataram 829 haitianos.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.