National Disaster Response Force/AP
National Disaster Response Force/AP

Fortes chuvas na Índia provocam inundações e deslizamentos de terra; pelo menos 138 pessoas morreram

Enchentes no país asiático acontecem na esteira de desastres naturais ocorridos na Europa e China nos últimos dias; ambientalistas alertam para perigo das mudanças climáticas

Redação, O Estado de S.Paulo

24 de julho de 2021 | 04h33
Atualizado 24 de julho de 2021 | 10h22

MUMBAI — Pelo menos 138 pessoas morreram em incidentes provocados por fortes chuvas que atingiram o oeste da Índia, informaram autoridades locais neste sábado, 24. O transbordamento de rios levou a inundações em diversas cidades, carros e motocicletas foram levados e casas ficaram parcialmente submersas. Por toda a região, quase 100 mil moradores foram retirados de suas casas.

“As chuvas torrenciais costumam coincidir com fortes marés e grandes volumes de água saindo das represas”, causando deslizamentos de terra, inundações e desabamento de edifícios, afirmou o governo local de Maharashtra, acrescentando que pelo menos 59 pessoas desapareceram.

Em Taliye, cerca de 180 km a sudeste da capital financeira Mumbai, 42 corpos foram encontrados pelos serviços de resgate depois que deslizamentos de terra destruíram a maioria das casas. “Cerca de 40 pessoas ainda estão soterradas. A possibilidade de resgatá-las com vida é pequena, pois estão presas na lama por mais de 36 horas”, disse um oficial que não quis ser identificado por não estar autorizado a falar com a imprensa.

O clima severo atingiu várias partes do mundo nas últimas semanas, com inundações na China e na Europa Ocidentalalém de ondas de calor na América do Norte, gerando novos temores sobre o impacto das mudanças climáticas.

A mudança climática intensifica os fenômenos de monção na Índia, segundo um estudo divulgado pelo Instituto de Pesquisa sobre o Impacto Climático de Potsdam (PIK). O estudo alerta para possíveis consequências na alimentação, agricultura e economia em um país que abriga 20% da população mundial.

Partes da Costa Oeste da Índia receberam até 594 mm de chuva, forçando as autoridades a retirar as pessoas de áreas vulneráveis ​​enquanto davam vazão a represas prestes a transbordar. A estação montanhosa de Mahabaleshwar registrou sua maior precipitação de todos os tempos — 600 mm em 24 horas.

As equipes de resgate procuravam vítimas de deslizamentos em outras quatro localidades do Estado. "Cerca de 90 mil pessoas foram resgatadas das áreas afetadas pelas enchentes", disse o governo de Maharashtra em um comunicado. Milhares de caminhões ficaram presos por mais de 24 horas em uma rodovia que liga Mumbai ao centro de tecnologia de Bengaluru, com a estrada submersa em alguns pontos. No Estado de Telangana, ao sul, as fortes chuvas causaram inundações na capital, Hyderabad, e em outras áreas baixas.

As chuvas também provocaram inundações em um centro de tratamento de água, interrompendo a distribuição na maioria dos distritos de Mumbai, informaram as autoridades da cidade de 20 milhões de habitantes. 

O primeiro-ministro Narendra Modi disse ter ficado abalado pela perda de vidas. "A situação em Maharashtra, devido às fortes chuvas, está sendo monitorada de perto, e estamos fornecendo assistência aos atingidos", ele disse em seu perfil no Twitter na sexta-feira.

Ambientalistas indianos alertam que as mudanças climáticas e a construção indiscriminada em regiões costeiras podem levar a mais desastres como este. "A fúria da chuva que assolou Mahabaleshwar é um forte alerta contra qualquer exploração dos Ghats — colinas onde eventualmente se constroem casas — ecologicamente frágeis", disse o economista ambiental Devendra Sharma no Twitter, referindo-se à cadeia de colinas ao longo da Costa Oeste da Índia.

Segundo o departamento de meteorologia local, as chuvas devem perder intensidade a partir deste domingo, 25./Reuters, AFP e EFE.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.