Chuvas pesadas causam danos a maior cidade do Paquistão

Inundações decorrentes das chuvas de monções causaram muitos danos nesta terça-feira à maior cidade e centro comercial do Paquistão, Karachi, e apenas poucas pessoas conseguiram chegar ao trabalho ou escola, disseram as autoridades.

FAISAL AZIZ, REUTERS

13 Setembro 2011 | 08h42

Considerado um dos países mais instáveis do mundo, o Paquistão ainda não se recuperou das enchentes monumentais do ano passado, que provocaram fortes críticas ao governo em razão de sua lentidão para socorrer as vítimas.

Mais de 800 mil famílias continuam sem moradia permanente um ano depois de terem perdido suas casas nas inundações, dizem grupos assistencialistas, e mais de 1 milhão precisam recorrer a ajuda alimentar.

O impopular governo paquistanês se vê agora diante de uma nova crise, já que as chuvas de monções causaram a morte de 200 pessoas na província de Singh, da qual Karachi é a capital.

As recentes enchentes deixaram cerca de 280 mil desabrigados, destruíram ou danificaram 1,2 milhão de casas e inundaram 4,5 milhões de acres no campo, desde agosto, segundo órgãos oficiais e entidades assistencialistas ocidentais.

Em Karachi, apesar de muitas ruas estarem alagadas, postos de gasolina inundados, carros submersos, não havia sinais de esforços das autoridades para resolver o problema do escoamento da água.

Autoridades disseram que os dados às lavouras de arroz e cana de açúcar ainda são pequenos, mas cerca de 13 por cento da plantação de algodão já foram destruídos.

Mais conteúdo sobre:
PAQUISTAO CHUVAS KARACHI*

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.