Chuvas torrenciais deixam 76 mortos no sul da China

Governo decide inundar propositalmente povoados para evitar danos nas grandes cidades; Já são 13,5 milhões de desabrigados e prejuízos de US$ 606 milhões

Agencia Estado

18 Junho 2007 | 11h59

As chuvas torrenciais que castigam o sul da China há uma semana causaram pelo menos 76 mortes, segundo os últimos números oficiais. As autoridades começaram a inundar propositalmente alguns povoados para evitar danos maiores nas grandes cidades. As inundações e deslizamentos de terra deixaram além disso 13 desaparecidos, 13,5 milhões de desabrigados e prejuízos econômicos de US$ 606 milhões, informou nesta quarta-feira, 13, o jornal China Daily. Além disso, 788 mil pessoas foram removidas nas seis províncias afetadas (Cantão, Guangxi, Guizhou, Hunan, Fujian e Jiangxi), segundo dados do Ministério de Assuntos Civis. "Vai continuar chovendo, o que dificultará a luta contra as inundações", disse Li Ronggen, vice-governador da província de Cantão, uma das mais afetadas. Alagamentos Como parte das medidas para atenuar os danos, 24 povoados das seis províncias foram alagados para evitar que as inundações chegassem às cidades maiores. Dezenas de milhares de habitantes foram retirados de suas casas, segundo a Televisão Central da China. Em Cantão, as autoridades optaram por abrir as comportas de uma represa no rio Hanjiang, onde a água estava chegando a um nível perigoso. Assim, seis localidades próximas foram alagadas, segundo a agência estatal Xinhua. "Se não tivéssemos aberto a comporta, a represa poderia arrebentar, e as perdas teriam sido mais graves", disse Guo Chunshan, prefeito do município de Liuhuang. As intensas chuvas causaram também danos a cerca de 500 mil hectares de cultivos e destruíram 69 mil casas, acrescentou o Ministério. A temporada de chuvas no sul e o leste da China este ano começou mais cedo e deve ser mais forte devido aos efeitos da mudança climática.

Mais conteúdo sobre:
China chuvas alagamentos

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.