Yamil Lage/AFP
Yamil Lage/AFP

CIA afasta envolvimento de alguma potência estrangeira nos casos da misteriosa 'síndrome de Havana'

Conclusão da agência esvazia suspeita de algumas autoridades de que a Rússia seja a culpada por uma longa série de doenças misteriosas nos últimos anos

The Washington Post, O Estado de S.Paulo

20 de janeiro de 2022 | 17h08

WASHINGTON - A Agência Central de Inteligência americana (CIA) concluiu que não existem evidências de que um país estrangeiro esteja montando um ataque global contra funcionários dos Estados Unidos que relataram sintomas físicos dolorosos e, às vezes, debilitantes, no que ficou conhecido como 'síndrome de Havana'. A conclusão da CIA esvazia a suspeita de algumas autoridades de que a Rússia seja a culpada por uma longa série de doenças misteriosas nos últimos anos.

Um alto funcionário da CIA enfatizou que a investigação da agência continua. Mas a descoberta provisória atraiu críticas rápidas de pessoas que dizem ter sido vítimas e acusaram a agência de tentar encerrar o caso prematuramente. Alguns funcionários e legisladores pediram paciência enquanto a investigação continua e pareciam se distanciar das conclusões da CIA.

“Avaliamos que é improvável que um ator estrangeiro, incluindo a Rússia, esteja conduzindo uma campanha mundial sustentada prejudicando o pessoal dos EUA com uma arma ou mecanismo”, disse um alto funcionário da CIA, falando sob condição de anonimato sob as regras básicas estabelecidas pela agência.

Isso deixa em aberto a possibilidade de que uma potência estrangeira possa ser responsável por casos que não podem ser atribuídos a condições médicas ou outros fatores, disse o funcionário.

Desde que os primeiros casos de funcionários que sofrem de sintomas como tontura e dores de cabeça foram relatados na Embaixada dos EUA em Havana, em 2016, os investigadores do governo revisaram mais de mil casos do que as autoridades chamaram de “incidentes de saúde anômalos”, disse o funcionário.

Os sintomas, que são acompanhados por sensações como zumbido nos ouvidos, passaram a ser conhecidos comumente como síndrome de Havana, e foram relatados por funcionários de inteligência, diplomáticos e militares em todos os continentes, exceto na Antártida.

A maioria dos casos pode ser atribuída a uma condição médica preexistente ou fatores ambientais ou outros, disse o alto funcionário. “Algumas dúzias” desses incidentes, que a autoridade chamou de “os casos mais difíceis”, não puderam ser explicados e receberão mais atenção, disse a autoridade. “Nosso trabalho continua e ainda não terminamos.”

Mas outra autoridade dos EUA disse que a categoria de casos inexplicáveis somava mais que algumas dezenas e observou que outras investigações estão pendentes, incluindo a de um painel de especialistas independentes e outras agências governamentais, que podem chegar a conclusões diferentes das da CIA.

Repúdio

Na noite de quarta-feira, um grupo cujos membros acreditam que eles e alguns de seus parentes foram atacados  rejeitou as descobertas da agência. “O relatório recém emitido da CIA pode ser rotulado como 'interino' e pode deixar a porta aberta para alguma explicação alternativa em alguns casos, mas para dezenas de funcionários públicos dedicados, suas famílias e seus colegas, ele tem um toque de finalidade e repúdio”, disse o grupo Advocacia para Vítimas da Síndrome de Havana, em um comunicado.

A CIA se recusou a comentar a declaração.

Na quinta-feira, o secretário de Estado americano, Antony Blinken, abordou o relatório da CIA em uma carta aos funcionários do Departamento de Estado obtida pelo Washington Post. “Essas descobertas não questionam o fato de que nossos colegas estão relatando experiências reais e sofrendo sintomas reais”, escreveu Blinken, ecoando garantias da CIA de que a agência está focada em fornecer assistência médica a qualquer pessoa que esteja sofrendo.

Mas Blinken não endossou as conclusões da CIA, que ele atribuiu a “nossos colegas da comunidade de inteligência” e descreveu apenas como uma avaliação de uma campanha global e sustentada contra muitos funcionários dos EUA. “Vamos continuar a trazer todos os nossos recursos para entender mais sobre esses incidentes, e haverá relatórios adicionais a seguir. Não deixaremos pedra sobre pedra”, escreveu.

Os presidentes das comissões de supervisão de inteligência do Congresso retrataram o relatório da CIA como o  primeiro passo de uma investigação em andamento. “É importante notar que a avaliação de hoje, embora rigorosamente conduzida, reflete apenas o trabalho provisório da força-tarefa da CIA”, disse o senador Mark R. Warner, presidente da Comissão de Inteligência do Senado. 

Na Câmara, o deputado Adam B. Schiff, presidente da comissão na Casa, disse em um comunicado que o relatório da CIA foi um primeiro passo para responder às muitas perguntas sobre esses incidentes. "Mas está longe de ser o último.”

A pressão aumentou sobre o governo Biden para investigar a fundo o mistério depois que alguns ex-funcionários do governo que experimentaram os sintomas acusaram membros do governo Trump de ignorar sua situação ou serem muito rápidos em classificar seus sintomas como imaginários.

Ao longo do ano passado, mais funcionários do governo se apresentaram para relatar sintomas, depois que seus gerentes na comunidade de inteligência, o Departamento de Estado e os militares os encorajaram a fazê-lo. Isso levou a uma enxurrada de casos que precisavam ser investigados, e a maioria deles foi atribuída a alguma causa conhecida, segundo fontes da investigação.

Plano

A CIA estabeleceu uma força-tarefa para investigar os incidentes de saúde, liderada por um oficial sênior que anteriormente desempenhou um papel fundamental na busca bem-sucedida da agência por Osama bin Laden

Em um comunicado, o diretor da CIA, William J. Burns, prometeu fornecer assistência médica para aqueles que foram atingidos, mesmo que a causa de sua doença permaneça desconhecida.

O governo Biden procurou desenvolver planos para fornecer compensação e melhorar a assistência médica às pessoas afetadas pelo fenômeno. De acordo com a Lei de Havana, que o presidente Biden sancionou em outubro, o governo tem seis meses para estabelecer uma estrutura para fazer pagamentos a indivíduos que sofreram incidentes de saúde relacionados.

Mas os esforços para lidar com os episódios foram complicados pela incapacidade das autoridades de estabelecer um diagnóstico claro para uma série de sintomas que, embora às vezes debilitantes, também são comuns.

Autoridades disseram no fim do ano passado que não detectaram padrões entre as vítimas aparentes, apesar de uma extensa investigação da CIA e de outras agências.

Embora os investigadores não tenham descoberto nenhuma evidência concreta, alguns altos funcionários e legisladores sustentaram que a Rússia pode estar atacando funcionários dos EUA e suas famílias com uma forma poderosa de energia direcionada, seja com a intenção de vigiar ou infligir danos. Diplomatas canadenses também relataram ter sido afetados.

Em sua audiência de confirmação em fevereiro, Burns prometeu “tornar uma prioridade extraordinariamente alta para descobrir quem é o responsável pelos ataques”.  

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.