CIA cria força-tarefa para analisar impacto dos vazamentos do WikiLeaks

Comissão checará se operações ou relações da agência de inteligência foram afetadas

Agência Estado

22 de dezembro de 2010 | 15h23

WASHINGTON - A Agência Central de Inteligência dos EUA (CIA, na sigla em inglês) criou uma força-tarefa para avaliar o impacto dos vazamentos de milhares de telegramas diplomáticos e arquivos militares americanos pelo site WikiLeaks, informou nesta quarta-feira, 22, o jornal Washington Post.

 

Veja também:

especialEspecial: Por dentro do WikiLeaks

lista Veja tudo o que foi publicado sobre o assunto 

 

O painel é oficialmente chamado de Força-Tarefa WikiLeaks (WTF, na sigla em inglês). A própria agência de inteligência não foi muito afetada pelos vazamentos, tendo apenas alguns de seus documentos revelados. A agência investiga se sua capacidade de recrutar informantes pode ter sido afetada.

 

"O diretor pediu à força-tarefa que examine se o mais recente vazamento de documentos do WikiLeaks pode afetar as relações ou operações estrangeiras da agência", afirmou George Little, um porta-voz da CIA, em entrevista ao diário. A força-tarefa tem mais de 25 membros, de diferentes departamentos da CIA.

 

O site WikiLeaks começou a vazar no mês passado cerca de 250 mil documentos diplomáticos dos EUA. O governo americano criticou duramente a iniciativa. As informações são da Dow Jones.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.