CIA diz que nunca garantiu que Iraque era ameaça iminente

Em sua primeira defesa pública do desempenho serviço americano de inteligência antes da guerra, o diretor da CIA, George Tenet, disse que analistas americanos nunca afirmaram, antes do conflito, que o Iraque apresentava uma ameaça iminente. Tenet informou que analistas tinham diversas opiniões sobre o estágio dos programas de armas químicas, biológicas e nucleares do Iraque e que estas diferenças foram transmitidas à Casa Branca na Estimativa de Inteligência Nacional de outubro de 2002.Tenet disse que ?no negócio da espionagem, você nunca está completamente errado ou completamente certo?. Ele também afirmou que a busca por armas proibidas continua e que, ?a despeito de certas declarações públicas, não estamos nem perto de 85% do serviço completo?.Essa última observação foi uma resposta direta ao ex-principal assessor de Tenet para busca de armas, David Kay, que depois de realizar inspeções no Iraque disse que as armas de Saddam Hussein não existiam antes da guerra.Mas Tenet concordou com a avaliação de Kay, de que os EUA não tinham espiões em número suficiente no Iraque e que a CIA jamais foi capaz de penetrar o círculo íntimo do ex-ditador. Mas ele disse que a rede de espiões é forte no restante do mundo: ?Uma crítica global às nossas fontes humanas de informação no mundo estaria mortalmente errada?. ?Passamos os últimos sete anos reconstruindo nossos serviços clandestinos?, afirmou.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.