CIA e FBI apontam para risco de novo atentado contra EUA

A organização terrorista Al-Qaeda,obrigada a se esconder por vários meses, se reorganizou e éprovável que já tenha em fase de execução um novo ataque contraos Estados Unidos, advertiram a CIA e o FBI.Ambos organismos renunciaram ao eufemismo na hora de indicarum nível de perigo: o terrorismo poderia provocar um novo"marco zero" (como é chamado hoje o local onde existiam astorres gêmeas do World Trade Center, em Nova York). As audiências no Congresso para as investigações sobre oserros da inteligência em 2001 deram aos diretores da CIA, GeorgeTenet, e do FBI, Robert Mueller, a oportunidade de lançar umalarme público incomum para a cúpula da inteligência. Os contínuos atentados no Sudeste Asiático, os ataquesatiamericanos no Kuwait, o atentado contra um petroleiro noIêmen, as mensagens ameaçadoras da Al-Qaeda, tudo contribui paraque os Estados Unidos pensem que estão novamente em perigo. "Para mim é muito difícil dizer ao país que fique tranqüiloe garantir que temos tudo sob controle, depois de ter visto oque foram capazes de fazer em 11 de setembro", confessouMueller. Ainda mais frágil e preocupado mostrou-se o diretor daCIA: "A situação é séria, se reorganizaram (os membros daAl-Qaeda), estão contra nós, querem realizar ataques". No verão (boreal) de 2001, antes, porém, dos atentados desetembro, a agência dirigida por Tenet reuniu vários sinais deque algo importante estava por acontecer, mas não conseguiuidentificar os objetivos. Desta vez, a CIA busca se antecipar aos fatos, mas o atentadoem Bali a frustrou novamente: a inteligência americana sabia queo Sudeste Asiático seria o novo cenário de terror, mas nãoconseguiu que o governo indonésio atuasse. Agora, Tenet faz públicas as preocupações de seus agentes:"É importante que o público americano saiba que, apesar dosenormes êxitos que tivemos no ano passado, a Al-Qaeda continuaplanejando ataques e tentará novos golpes mortais contra nós.Haverá muitas outras batalhas ganhas, e muitas outras perdidas.Devemos ser honestos neste ponto".

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.