CIA endossou discurso sobre Estado da União de Bush, diz Rice

A assessora de Segurança Nacional do presidente americano, George W. Bush, disse nesta sexta-feira que a CIA endossou na íntegra o discurso sobre o Estado da União feito pelo mandatário em janeiro, incluindo a frase em que alegou que o Iraque estava tentando comprar urânio na África. Se o diretor da Cia, George Tenet, tinha alguma desconfiança em relação a essa frase, ?ele não a manifestou? para a equipe de Bush, disse a conselheira de Segurança Nacional Condoleezza Rice. Os comentários da assessora de Bush a bordo do avião presidencial ocorrem um dia depois de outros altos funcionários dos EUA terem dito que antes e após o discurso presidencial proferido em 28 de janeiro funcionários de inteligência americanos expressaram dúvidas sobre as informações da inteligência britânica citadas pelo mandatário dos EUA para reforçar suas alegações contra o regime de Saddam Hussein. Tais dúvidas foram encaminhadas a funcionários tanto britânicos como de várias agências do governo americano antes de a frase aparecer no discurso presidencial em rede nacional. Mas Rice garantiu hoje que ?a CIA endossou o discurso integralmente?. Ela explicou que a agência de inteligência americana levantou apenas uma objeção à sentença envolvendo uma alegação de que o Iraque estava tentando obter na África urânio natural (o chamado yellow cake de urânio, devido à sua cor amarelada. O Níger, país citado no caso, é o maior produtor mundial de urânio). ?Algumas especificidades sobre a quantidade e o local foram descartadas?, acrescentou Rice. ?Com as mudanças na sentença, o discurso foi liberado?, disse ela. Rice fez a defesa da Casa Branca num raro encontro de 50 minutos com repórteres a bordo do jato presidencial enquanto o aparelho seguia da África do Sul em direção a Uganda. Bush vem sendo questionado sobre o discurso do Estado da União ao longo de sua viagem de cinco dias pela África.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.