CIA investiga aquisição de vírus de varíola pelo Iraque

A CIA está investigando a acusação de um informante segundo o qual o Iraque obteve uma cepa de vírus de varíola, fornecido por uma cientista russa que trabalhou em um laboratório moscovita durante a era soviética, disse o The New York Times em sua edição de hoje. Segundo fontes citadas pelo jornal nova-iorquino, vários cientistas dos EUA tiveram em agosto a informação de que o Iraque poderia ter conseguido essa misteriosa variedade de vírus de Nelia Maltseva, virologista que trabalhou durante mais de 30 anos no Instituto de Preparação Viral de Moscou, antes de sua morte, há dois anos. De acordo com o jornal, a notícia foi transmitida ao governo americano por um informante cuja identidade não foi revelada. A CIA considerou o dado suficientemente confiável e instruiu o presidente Bush a respeito de suas implicações, afirma o jornal. A tentativa para confirmar a informação continua. Sabe-se que Nelia Maltseva visitou o Iraque em diversas ocasiões. Agentes de inteligência estão tentando determinar se, de acordo com o informante, a cientista russa viajou ao Iraque mais recentemente - na década de 90. Segundo o Times, o Instituto onde ela trabalhou abrigava o que a Rússia afirmou ser sua coleção nacional, de 120 cepas ou variedades de varíola, e alguns especialistas receiam que Nelia possa ter fornecido aos iraquianos uma versão resistente a vacinas, que poderia ser mais facilmente espalhada como arma biológica. De acordo com a reportagem, a suposição de que o Iraque dispõe dessa variedade de vírus motivou a decisão do presidente Bush para vacinar a população contra a varíola, uma doença oficialmente erradicada em 1980. Segundo o jornal, a Casa Branca deverá anunciar que apesar do risco de doença e morte induzido pela vacina, o governo autorizará a vacinação dos que correm maior perigo na eventualidade de um surto - 500 mil membros das Forças Armadas, que poderiam ser escolhidos para combater numa guerra contra o Iraque no Oriente Médio, e 500 mil civis que prestam serviços médicos.

Agencia Estado,

03 Dezembro 2002 | 20h23

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.