CIA ocultou vídeos de comissão do 11/9, diz ''''NYT''''

A CIA ocultou de investigadores vídeos com gravações de interrogatórios brutais de suspeitos de terrorismo, informou ontem o New York Times. Segundo o jornal, a comissão independente que investigou o 11 de Setembro fez repetidos pedidos à CIA, em 2003 e 2004, de documentos e outras informações sobre os interrogatórios de membros da Al-Qaeda, mas a agência de inteligência alegou que já havia entregue tudo que possuía.Uma revisão de documentos secretos da comissão começou a ser feita no início do mês, após a descoberta de que a CIA destruiu, em novembro de 2005, vídeos com centenas de horas de interrogatórios de Abu Zubeida e Abd al-Rahim al-Nashiri, supostos membros da Al-Qaeda, gravados em 2002. Acredita-se que os vídeos mostravam que nos interrogatórios se simulou o afogamento dos suspeitos, uma técnica que ativistas dos direitos humanos qualificam de tortura.Um relatório preparado por Philip Zelikow, ex-diretor-executivo da comissão, conclui que "mais investigações são necessárias" para determinar se a CIA, ao ocultar os vídeos dos interrogatórios, violou as leis dos EUA.O porta-voz da CIA, Mark Mansfield, disse que a agência estava preparada para dar as gravações à comissão, mas seus membros nunca pediram especificamente os vídeos. Mansfield disse também que, "como se acreditava que os vídeos poderiam ser solicitados em algum momento, eles não foram destruídos enquanto a comissão esteve em funcionamento".Segundo a revisão feita por Zelikow, a comissão não pediu a especificamente os vídeos (cuja existência era mantida em segredo), mas "documentos", "relatórios" e "informações" sobre os interrogatórios. A CIA diz ter destruído as fitas de forma legal, para proteger os agentes envolvidos, mas a revelação causou duras críticas de grupos pró-direitos humanos e da oposição democrata. A comissão investigou falhas de segurança ocorridas antes e depois dos ataques terroristas de 11 de setembro de 2001 nos EUA. O relatório da comissão pediu uma reforma nos organismos de inteligência dos EUA.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.