Ciclone de Bangladesh deixou mais danos que o imaginado, diz ONU

A Organização das NaçõesUnidas (ONU) afirmou que a crise humanitária provocada pelociclone que devastou Bangladesh no mês passado é muito pior doque o inicialmente imaginado e que mais de 2 milhões de pessoasprecisam receber ajuda imediatamente para não morrer. "À medida que mais informações são disponibilizadas, umquadro ainda mais sombrio passa a se revelar", afirmou oEscritório das Nações Unidas para a Coordenação de AssuntosHumanitários em um comunicado divulgado em Daca, naterça-feira. Cerca de 2,6 milhões de moradores do país espalhados pornove distritos precisam de ajuda de emergência. E o númerototal de pessoas atingidas pelo ciclone é de cerca de 8,5milhões, ou 1,5 milhão a mais que o calculado inicialmente,disse o comunicado. O ciclone Sidr atingiu o empobrecido país do sul da Ásia nodia 15 de novembro, com ventos de 250 quilômetros por hora euma onda vinda do mar de 1,5 metro. O número confirmado de mortes subiu um pouco, para 3.268. Onúmero de pessoas consideradas desaparecidas ficou em 827 e aquantidade de feridos aumentou de 5.000 para 40 mil. Os danos a propriedades também são considerados agora maisgraves do que o relatado previamente. Quase 564 mil casas foramtotalmente destruídas, ou 200 mil a mais que o previsto em umprimeiro momento, disse o comunicado da ONU. Outras 885.280casas sofreram danos. Segundo a ONU, o número de animais de criação perdidos somaao menos 1,25 milhão, mais do que o dobro da primeiraestimativa. E a área de plantio danificada elevou-se para 2milhões de acres. Em termos de ajuda de emergência, as maiores carênciasneste momento são de alimentos, abrigo e dinheiro, disse a ONU.Mas também há problemas no setor sanitário, na obtenção de águapotável, na distribuição de eletricidade e na assistênciamédica, acrescentou o órgão. (Reportagem de Ruma Paul e Masud Karim)

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.