Manjunath Kiran/AFP
Manjunath Kiran/AFP

Ciclone deixa 16 mortos e 100 desaparecidos na Índia e Sri Lanka

Ventos de até 130 quilômetros por hora derrubaram árvores e causaram danos nos países asiáticos

O Estado de S.Paulo

01 Dezembro 2017 | 07h20

NOVA DÉLHI - Ao menos 16 pessoas morreram e 100 estão desaparecidas na Índia e no Sri Lanka após a passagem do ciclone Ockhi, anunciaram as autoridades dos dois países. Nove pessoas morreram na Índia e sete no Sri Lanka, em sua maioria em acidentes com árvores derrubadas pelos ventos de até 130 quilômetros por hora.

A Marinha indiana enviou navios para ajudar os barcos pesqueiros, informou a ministra da Defesa, Nirmala Sitharaman. Pelo menos 100 pessoas estão desaparecidas no país.

+ Emissão de gases-estufa subiu 9% no Brasil em 2016

O ciclone Ockhi, que provocou muitos danos materiais e cortes de energia elétrica, se desloca do Sri Lanka para o sul da Índia. Sua potência pode aumentar nas próximas 24 horas, de acordo com o serviço meteorológico.

A costa leste indiana é afetada por ciclones entre abril e dezembro. Em 1999 um ciclone deixou mais de 8.000 mortos no estado de Odisha, no leste do país.

+ Corte de emissões de CO2 prometido por países resolve só 1/3 do aquecimento global

Clima. Depois de três quebras consecutivas de recorde de temperatura nos últimos três anos, 2017 não vai fechar como o ano mais quente. A expectativa, no entanto, é que será um dos três anos mais quentes do registro histórico, anunciou a Organização Meteorológica Mundial, na abertura da 23.ª Conferência do Clima da ONU, em Bonn, em novembro. E 2017 deve fechar com recorde de eventos climáticos extremos. 

De acordo com a OMM, relatório prévio do estado do clima mostra que a média global de temperatura entre janeiro e setembro foi de aproximadamente 1,1°C acima que antes da Revolução Industrial. / AFP

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.