Ciclone "Larry" arrasa a costa nordeste australiana

Um forte ciclone tropical, com ventos de cerca de 300 km/h, atingiu nesta segunda-feira a turística costa nordeste da Austrália e causou graves danos materiais. O ciclone "Larry", de categoria cinco (a mais alta da escala), considerado um dos piores já registrados na Austrália, destruiu mais da metade das casas de Innisfail, no norte do estado de Queensland. Os serviços de emergência indicaram que não havia registro de feridos graves, o que atribuíram à preparação e às milhares de retiradas obrigatórias que foram iniciadas no domingo à tarde. Mas a destruição deixou cerca de 120 mil casas sem eletricidade, quilômetros de linhas de alta tensão caíram e milhares de residências ficaram sem telefone. O líder do governo de Queensland, Peter Beattie, disse que é provável que este tenha sido o pior ciclone registrado no estado e que "o dano à propriedade foi imenso". Em apenas algumas horas, a indústria de banana da Austrália perdeu 200 mil toneladas da fruta, avaliadas em US$ 220 milhões, causando a suspensão de entre 3 e 4 mil postos de trabalho. "Entre 90 e 100% das árvores caíram, o que representa mais de 80% do total da produção (de banana) australiana", informou o presidente do Conselho de Produtores de Banana, Patrick Leahy. Além da banana e da cana-de-açúcar, também cultivada na região, teme-se que o ciclone tenha danificado partes da grande barreira de coral da região, classificada como Patrimônio da Humanidade. Milhares de trabalhadores dos Serviços de Emergência estão preparados para iniciar a limpeza quando os trabalhos no heliporto de Innisfail terminarem. Não se sabe quando será possível restabelecer a energia elétrica. Barracas serão instaladas para os desabrigados. Os Serviços de Emergência, treinados para atuar em desastres naturais e atos de terrorismo, separaram 20 toneladas de material para as equipes de resgate e salvamento que irão ao extremo norte de Queensland. As agências federais se reuniram em Camberra para coordenar a ação de emergência e criaram um fundo de ajuda aos desabrigados. Apesar de o ciclone ter se enfraquecido, transformando-se em uma tempestade de categoria dois, ainda tem ventos de 160 km/h e está a cerca de 100 quilômetros ao oeste do litoral, onde, segundo o Escritório de Meteorologia, as fortes chuvas desta manhã de segunda-feira podem causar inundações. O porta-voz do Centro de Coordenação de Desastres, Peter Rekers, alertou que freqüentemente os piores danos pessoais ocorrem após a passagem do ciclone e recomendou que as pessoas fiquem em casa, "longe da água, das cobras e dos crocodilos, pois eles também tiveram uma noite ruim", e são perigos reais. Após o "Larry", outro ciclone, o "Waiti", desloca-se pelo Pacífico Sul, nos arredores de Vanuatu, e está a alguns dias de atingir a costa australiana.

Agencia Estado,

20 Março 2006 | 09h34

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.