Ciclone mata 1.100 em Bangladesh

Fortes chuvas e ventos de 240 km/h deixam rastro de destruição, 300 desaparecidos e 3,2 milhões de desabrigados

Daca, O Estadao de S.Paulo

17 de novembro de 2007 | 00h00

O ciclone Sidr deixou um rastro de destruição em sua passagem por Bangladesh, mais 1.100 mortos e 3,2 milhões de desabrigados. Segundo a agência United News of Bangladesh, há mais de 300 pessoas desaparecidas e muitas áreas permaneciam incomunicáveis.O ciclone de categoria 4 e ventos de 240 km/h chegou à costa de Bangladesh na quinta-feira à noite, provocando ondas de até cinco metros de altura, destruindo milhares de casas, arrancando árvores e postes de eletricidade e arrasando plantações em 15 distritos costeiros.Após assolar o sul de Bangladesh, o ciclone seguiu para o centro do país, onde está situada a capital, Daca, mas perdendo intensidade e se transformando em uma tempestade tropical. Sidr também castigou o leste da Índia com fortes chuvas. Hoje, a tempestade chegará ao Estado indiano de Assam.O aeroporto de Daca e o principal porto do país, na cidade sulista de Chittagong, estavam fechados por causa dos fortes ventos, dificultando o deslocamento das equipes de ajuda humanitária. A maioria das vítimas morreu atingida por árvores ou sepultada pelas paredes de suas casas, geralmente construídas de forma precária.Funcionários do governo dizem que esta foi a pior tormenta a atingir Bangladesh desde 1991, quando o país foi devastado por um ciclone que deixou mais de 138 mil mortos. Em 1970, mais de 500 mil pessoas morreram em outro ciclone.Bangladesh é um país habitualmente atingido por ciclones e, segundo cálculos de meteorologistas, nos últimos 125 anos as costas do país foram afetadas por 80 grandes tormentas, que deixaram mais de 2 milhões de mortos. No país, 60 milhões dos 140 milhões de habitantes vivem a menos de 10 metros sobre o nível do mar, por isso a elevação das águas, como aconteceu na madrugada de ontem, sempre tem conseqüências catastróficas. As autoridades tentaram antecipar-se à força da natureza e retiraram das áreas costeiras 650 mil pessoas. A Marinha enviou cinco navios com alimentos e remédios para os afetados e a União Européia doará 1,5 milhão em ajuda. A Cruz Vermelha e o Crescente Vermelho têm várias equipes trabalhando nas áreas atingidas. AFP, AP E EFE

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.