Ciclone mata 3 em Fiji e obriga milhares a deixar casas

Milhares de moradores de vilarejos em Fiji fugiram para abrigos por causa da chegada de um ciclone tropical que já matou três pessoas nesta nação do Oceano Pacífico. O fenômeno ainda causou enchentes e danificou casas e linhas de transmissão de energia. O ciclone Mick é o primeiro da temporada de verão em Fiji. Ele adentrou o país pela densamente povoada ilha de Viti Levu na noite de ontem e se dirigia para Tonga, onde há um alerta em vigor.

AE-AP, Agencia Estado

15 de dezembro de 2009 | 12h02

O Escritório Nacional de Gerenciamento de Desastres de Fiji afirmou que mortes e feridos foram evitados porque aproximadamente 3 mil moradores buscaram os abrigos de emergência antes da tempestade. No fim do dia de hoje (hora local), a maioria já havia retornado para suas casas. Os turistas nas ilhas de Yasawa e Mamanuca, a noroeste de Viti Levu, estavam em segurança. Apesar disso, o Resort Octopus foi forçado a fechar por causa dos estragos.

O Serviço Meteorológico de Fiji registrou ventos de até 150 quilômetros por hora. O ciclone atingiu a categoria 2, em uma escala de força de 1 a 5. Na costa oeste de Viti Levu, duas pessoas foram levadas pelo rio Sigatoka. Um estudante da vila de Drala, nas montanhas de Nadarivatu, morreu na hora quando uma árvore caiu sobre ele.

Tudo o que sabemos sobre:
Fijicicloneestragosmortes

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.