Ciclone na Índia mata dois e provoca fortes danos

Um ciclone provocou fortes chuvas e ventos em uma grande faixa da costa leste da Índia neste domingo, matando pelo menos duas pessoas e causando fortes danos a edifícios e plantações.

AE, Estadão Conteúdo

12 de outubro de 2014 | 08h56

Antes de chegar ao Golfo de Bengala, o ciclone Hudhud registrava ventos de 195 quilômetros por hora, informou o contra-almirante S.K. Grewal, chefe de gabinete do Comando Naval do Leste da Índia. Ele acrescentou que a velocidade recuou para 160 quilômetros por hora. O departamento meteorológico disse na tarde de hoje, no horário local, que o ciclone deve se enfraquecer gradualmente nas próximas 12 horas. Mesmo assim, fortes chuvas devem permanecer nos estados de Andhra Pradesh e Orissa por mais três dias.

Especialistas disseram que a tempestade deve provocar devastações ao longo de cerca de 300 quilômetros da costa leste da Índia. Ao menos 400 mil pessoas foram retiradas das áreas costeiras nos estados de Andhra Pradesh e Orissa. Imagens de televisão feitas em Visakhapatnam, uma das maiores cidades do sul da Índia e uma importante base naval, mostraram árvores e postes de eletricidade derrubados e uma grande quantidade de destroços nas ruas.

Quatro distritos em Andhra Pradesh, abrigando mais de 14 milhões de pessoas, provavelmente serão as áreas mais atingidas, incluindo 350 vilas costeiras. O ministro-chefe do estado, N. Chandrababu Naidu, disse que as evacuações salvaram vidas, mas que mesmo assim o ciclone causou "enormes danos" a edifícios e plantações nos distritos costeiros.

No Japão, há relatos de ao menos 35 feridos após a passagem do tufão Vongfong, que atingiu ventos de até 180 quilômetros por hora. O fenômeno alcançou o sul da ilha de Okinawa e se dirige à ilha de Kyushu, onde as autoridades ordenaram a retirada de 150 mil pessoas. A Agência Meteorológica do Japão prevê que o tufão alcance a região de Tóquio na terça-feira. Fonte: Associated Press.

Tudo o que sabemos sobre:
Índiaciclone

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.