REUTERS/Ciro De Luca
REUTERS/Ciro De Luca

Cidadãos estocam água e alimentos em Ascoli Piceno

Moradores de cidades não atingidas pelo terremoto de quarta-feira preparam-se para a eventualidade de um tremor

Andrei Netto, Enviado Especial / Amatrice, Itália, O Estado de S.Paulo

25 Agosto 2016 | 20h47

Cidades não atingidas pelo tremor que devastou Amatrice, como Ascoli Piceno, a cerca de 30 quilômetros do epicentro do terremoto, estão se preparando para a eventualidade de uma réplica que cause danos consideráveis e, com isso, paralisem ainda mais a atividade econômica da região. 

Por prevenção, muitos moradores têm estocado grande quantidade de alimentos não perecíveis e de água.

Habitante de Ascoli, Roberta Stortoni é uma das pessoas que decidiram fazer provisões com medo de que os tremores possam atingir também a sua cidade. “Muitas pessoas estão estocando alimentos e água. Nossa cidade também se situa na área de abalos sísmicos e pode acontecer conosco também”, justificou ela, que diz confiar na ajuda divina. “O padroeiro de nossa cidade é Santo Emídio, que nos protege dos terremotos”, afirma a comerciante.

Outros, no entanto, consideram a iniciativa descabida e descartam a necessidade de provisões. “Não vamos estocar. Não é necessário”, disse um outro comerciante, que se identificou apenas como Vittorino. 

As autoridades pedem a doação de alimentos para as vítimas dos tremores. Vários pontos de coleta foram montados em rodovias e acampamentos. Produtos como massas e artigos que possam ter versões pré-cozidas são os mais solicitados. Materiais de higiene pessoal, como sabonetes, pastas e escovas de dentes e absorventes também têm sido muito solicitados, assim como agasalhos para bebês e crianças.

Enquanto a mobilização de algumas comunidades é total, em outras cidades da Úmbria a vida começa a retornar ao normal. Em Ascoli, restaurantes lotaram na noite de ontem, e bares tocavam música alta, apesar do luto de muitas famílias da região. 

 

Mais conteúdo sobre:
Amatrice

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.