REUTERS/Yves Herman
REUTERS/Yves Herman

Cidadãos norte-americanos precisarão de visto europeu a partir de 2021

Decisão semelhante anunciada no ano passado atingiu 59 países, entre eles, Brasil, Canadá, Chile e Austrália; autorização poderá ser solicitada pela internet

Redação, O Estado de S.Paulo

09 de março de 2019 | 08h37
Atualizado 10 de março de 2019 | 07h16

A União Europeia anunciou nesta sexta-feira, 8, que cidadãos norte-americanos que viajarem para a Europa a partir de 1º de janeiro de 2021 vão precisar de um novo tipo de visto de entrada para turistas. O sistema envolve 26 países europeus, dos quais 22 integram a União Europeia (UE). 

O procedimento é chamado de ETIAS (European Travel Information and Authorisation System, “sistema europeu de informação e autorização de viagens" em tradução livre) e será feito inteiramente pela internet

Em julho do ano passado, o Parlamento Europeu apresentou medida semelhante. A decisão que também valerá a partir de 2021 atingirá 59 países, como Brasil, Canadá, Chile e Austrália. O visto será gratuito para menores de 18 anos e maiores de 70 anos. Para os demais, terá o custo de 7 euros. O visto já é exigido para cidadãos de 90 nacionalidades, a maioria de origem africana e asiática, tais como Vietnã, Somália e Líbia. 

A medida exige autorização para entrada nos seguintes países: Áustria, Bélgica, República Checa, Dinamarca, Estônia, Finlândia, França, Alemanha, Grécia, Hungria, Islândia, Itália, Letônia, Liechtenstein, Lituânia, Luxemburgo, Malta, Países Baixos, Noruega, Polônia, Portugal, Eslováquia, Eslovênia, Espanha, Suécia e Suíça. Embora estejam na UE, Bulgária, Romênia, Chipre, Irlanda, Reino Unido e Croácia têm as próprias regras de emissão de vistos de curta duração.

Atualmente, os americanos podem viajar para a Europa sem visto por um período de 90 dias. A partir de 2021 vão precisar de um passaporte válido, uma conta de email e um cartão de crédito ou débito para fazer o pagamento da taxa. 

O site do ETIAS informa ainda que a medida será adotada para melhorar o nível de segurança e evitar problemas de imigração ilegal e terrorismo. O processo permite que as autoridades da União Europeia possam rastrear previamente todos viajantes antes de permitirem o embarque deles em um voo para a Europa.

Viajantes dos Estados Unidos também terão que pagar uma quantia de 7 euros para solicitar um ETIAS. Estima-se que o processo de inscrição leve cerca de 10 minutos para ser concluído. O documento será válido por três anos e poderá ser usado para entrar e permanecer na Europa por 90 dias dentro de um período de seis meses.

Conforme lembraram alguns leitores, os Estados Unidos têm um sistema semelhante. O Departamento de Segurança Nacional norte-americano exige que os viajantes do Programa de isenção de visto (VWP) obtenham aprovação prévia do Sistema eletrônico de autorização de viagens (ESTA) pelo menos 72 horas antes do check-in para voos aos Estados Unidos ou de conexão pelos Estados Unidos. A aprovação pelo ESTA é necessária mesmo em conexões imediatas pelos EUA para um terceiro país. A solicitação também é feita pela internet com pagamento em cartão de crédito ou débito. No site, o solicitante pode obter mais informações e também valores. Austrália, Bélgica, Chile, Portugal e Filândia são alguns dos países atualmente inscritos no Programa de isenção de visto. Vale reforçar, que neste caso, a estadia não pode ultrapassar os 90 dias. 

Notícias relacionadas

    Encontrou algum erro? Entre em contato

    Tendências:

    O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.