Cidade alemã tem população retirada devido bomba da Segunda Guerra Mundial

Artefato de quase duas toneladas foi encontrado depois de período de seca no leito do rio Reno e será desativado.

BBC Brasil, BBC

04 de dezembro de 2011 | 09h24

Mais de 40 mil pessoas estão sendo retiradas da cidade de Koblenz, na Alemanha, para que uma grande bomba ainda da Segunda Guerra Mundial seja desativada com segurança.

A bomba, de quase duas toneladas, foi encontrada no leito do rio Reno, depois que o nível do rio diminuiu devido a um período de seca.

Todas as pessoas que moram em um raio de dois quilômetros em volta do local onde a bomba foi encontrada tiveram que sair da área. Quase metade da população de Koblenz foi afetada pela operação.

As autoridades da cidade começaram a distribuir panfletos sobre a operação na terça-feira, orientando a população a fechar suas casas.

Os especialistas vão desativar a bomba ainda na tarde deste domingo.

Esta é a maior operação de evacuação de moradores relacionada a uma bomba desde o final da Segunda Guerra Mundial na Alemanha.

Drenagem e abrigos

As autoridades alemãs afirmaram que sete casas de repouso, dois hospitais e uma prisão estão participando da operação de evacuação.

Também foram instalados abrigos com 12 mil camas em escolas, para acomodar as pessoas que não tem para onde ir.

Centenas de sacos de areia foram colocados em volta da parte do leito do rio onde a bomba está e o resto da água seria drenado da área na manhã de dom ingo.

O trabalho dos especialistas para desativar a bomba só pode começar quando o local estiver seco, o que deve ocorrer no início da tarde (horário local).

A bomba foi lançada na cidade durante a Segunda Guerra Mundial pela Força Aérea Britânica.

Além da bomba britânica, os especialistas alemães também vão desativar, ao mesmo tempo, uma bomba menor, lançada pelos americanos. BBC Brasil - Todos os direitos reservados. É proibido todo tipo de reprodução sem autorização por escrito da BBC.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.