Pichi Chuang/Reuters
Pichi Chuang/Reuters

Cidade japonesa quer religar seus reatores nucleares

Todas as usinas atômicas foram desligadas no país depois do acidente em Fukushima

LINDA SIEG E YOKO KUBOTA, REUTERS

14 Maio 2012 | 09h54

TÓQUIO - A assembleia de uma pequena cidade do oeste do Japão aprovou na segunda-feira, 14, o religamento de dois reatores nucleares instalados no local, algo inédito no país desde a paralisação de todas as usinas atômicas japonesas em decorrência do acidente de Fukushima.

O governo japonês busca a aprovação de governos municipais e regionais para reativar as usinas antes da chegada do verão, época de maior demanda energética. Todos os 50 reatores do país estão desligados desde que o último foi colocado em manutenção, em 5 de maio.

A imprensa disse que o governo central deve pedir a empresas e consumidores no oeste do Japão, área de atuação da empresa Kansai Electric Power, que reduzam voluntariamente seu consumo energético em 15 por cento durante o verão.

O diário econômico Nikkei informou, no entanto, que o governo também cogita impor um racionamento, com um apagão em sistema de rodízio, se for necessário.

No ano passado, três reatores da usina de Fukushima (norte) foram gravemente atingidos por um terremoto e um tsunami. Restrições ao consumo energético foram implementadas em algumas regiões depois disso.

O governo disse no mês passado que os reatores 3 e 4 da usina da Kansai em Ohi, 360 quilômetros a oeste de Tóquio, estão seguros para serem religados. A população dos arredores, no entanto, ainda reluta em aceitar isso.

Mais conteúdo sobre:
JAPAONUCLEARREATORES*

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.