EFE/Robin Townsend
EFE/Robin Townsend

Cidades catalãs começam a remover bandeiras da Espanha

Em Barcelona, milhares se concentram em diferentes pontos da cidade para comemorar a declaração unilateral de independência

O Estado de S.Paulo

27 Outubro 2017 | 16h14

BARCELONA - Diversas cidades da Catalunha começaram a remover bandeiras da Espanha de edifícios públicos, após o Parlamento regional ter aprovado uma declaração unilateral de independência.       

+Saiba quais são as medidas de Rajoy para intervir na autonomia da Catalunha

O estandarte do Estado espanhol já foi removido das prefeituras de municípios como Girona, Tortosa, Figueres e Lleida, além da própria sede do poder Legislativo catalão. 

Milhares de pessoas se concentraram em diferentes pontos de Barcelona para comemorar a declaração unilateral de independência e dar as boas-vindas à "República da Catalunha".

Cerca de 6 mil pessoas, segundo a Guarda Urbana, se reuniram espontaneamente em frente à sede do governo regional catalão, em um ambiente festivo e levando bandeiras independentistas, conhecidas como "esteladas", assim como cartazes a favor da separação da Catalunha do restante da Espanha.

+ Entenda: o que significa a declaração de independência da Catalunha?

Os concentrados, de todas as idades, entoaram gritos como "Fora, fora, fora, a bandeira espanhola", em referência à que tremula na fachada do edifício que abriga o Executivo regional catalão, enquanto se esperava o início do que denominaram como "o primeiro show de música da república catalã".

A maioria dos manifestantes chegou dos arredores do Parlamento regional, onde, convocados pelas organizações independentistas Omnìum Cultural e Assembleia Nacional Catalã (ANC), cerca de 15 mil pessoas, segundo a Câmara Municipal de Barcelona, acompanharam, por três telões, a votação na qual foi aprovada a declaração da independência.

Ali, aproveitaram para reivindicar a liberdade dos líderes de ambas entidades, Jordi Cruixart e Jordi Sánchez, respectivamente, em prisão preventiva desde o dia 16 por um crime de insurreição. / EFE e Ansa 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.