AP Photo/Manu Fernandez
AP Photo/Manu Fernandez

Cidades europeias precisam de mais dinheiro para lidar com ameaças terroristas, diz prefeito de Nice

Christian Estrosi afirmou que se reunirá no fim de setembro com autoridades de outras cidades da Europa para discutir formas de melhorar a situação e revisar a legislação nacional e europeia

O Estado de S.Paulo

18 Agosto 2017 | 12h12

NICE, FRANÇA - O prefeito da cidade francesa de Nice, onde dezenas de pessoas foram mortas em 2016 por um agressor que lançou o caminhão que dirigia contra pedestres, disse que vai se reunir com seus colegas europeus em setembro para ver como eles podem melhorar a segurança depois dos ataques terroristas realizados na Espanha, que deixaram mais de 10 mortos.

"Estou convencido que a vida vai prevalecer sobre a morte e iremos triunfar sobre a barbárie e o terror", disse Christian Estrosi a jornalistas, após prestar uma homenagem às vítimas dos ataques de Barcelona e Cambrils na Promenade des Anglais, onde 86 pessoas morreram no dia 14 de julho de 2016, quando comemoravam as festas do Dia da Bastilha.

"É óbvio que são os prefeitos - seja em Berlim, Londres, Paris, Nice, Barcelona ou Estocolmo - os primeiros a serem confrontados com essa violência e os que administram essas áreas públicas. Mas não somos nós que participamos das grandes reformas nacionais e europeias", destacou Estrosi.

+ Acompanhe a cobertura ao vivo dos atentados na Espanha

Ele afirmou que tomou a difícil decisão de gastar € 30 milhões (US$ 35 milhões) de seu orçamento para proteger áreas de Nice que poderiam ser alvos de novos ataques com veículos, e ressaltou que as cidades precisam de mais dinheiro para lidar com as ameaças terroristas.

Estrosi disse que os prefeitos de algumas cidades - as quais ele não especificou - se encontrarão entre os dias 28 e 29 de setembro em Nice com Julian King, comissário europeu responsável por questões de segurança. Eles devem discutir maneiras de melhorar a situação e revisar a legislação nacional e europeia. "Não ganharemos a guerra com regras de paz", apontou o prefeito. / REUTERS

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.