Bassam Khabieh / Reuters
Bassam Khabieh / Reuters

Cidades sírias em conflito estabelecem acordos de cessar-fogo

Medida tem como objetivo facilitar as negociações e acabar com as hostilidades; paralisações devem durar 48 horas

O Estado de S. Paulo

12 de agosto de 2015 | 10h23

BEIRUTE - As partes em conflito nas cidades sírias de Al Zabadani, Madaya, Bukain, Fua e Kefraya, localizadas na periferia de Damasco, chegaram a vários acordos de cessar-fogo, que devem entrar em vigor ainda hoje para facilitar as negociações e acabar com as hostilidades.

O Observatório Sírio de Direitos Humanos afirmou que essas paralisações devem durar 48 horas em cada cidade para que o diálogo continue entre as delegações iranianas e o Hezbollah, aliados do regime de Damasco, e as organizações rebeldes locais.

Al Zabadani conta com uma localização estratégica, já que está perto da fronteira com o Líbano e na rota que une a capital aos redutos governamentais no litoral. Fua e Kefraya são duas cidades de maioria xiita da província de Idlib, controlada quase totalmente pela Frente al Nusra, filial síria da Al Qaeda, e outras facções, que nas últimas semanas redobraram seus ataques contra estas duas localidades.

Segundo o Observatório, atualmente as negociações entre ambos os lados se centram em dois pontos: garantir aos combatentes do grupo rebelde Movimento Islâmico dos Livres de Sham vários ônibus para tirá-los de Al Zabadani e a entrada de ajuda humanitária e comida em Kefraya e Fua.

No entanto, algumas facções que apoiam os chamados Livres de Sham se recusam a sair de Al Zabadani.

O ministro iraniano das Relações Exteriores, Mohamad Javad Zarif, visita hoje a capital síria em sua primeira viagem ao país árabe após o acordo nuclear alcançado entre a República Islâmica e as potências ocidentais.

A Síria é há mais de quatro anos palco de um conflito que deixou mais de 240 mil mortos, segundo o Observatório. /EFE


Tudo o que sabemos sobre:
conflitoSíriacessar-fogo

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.