Cientista acusa Ashcroft de ter destruído sua vida

O professor Steven Hatfill afirmou hoje que sua vida foi destruída pelo secretário da Justiça americano, John Ashcroft, e pelo FBI, por tê-lo vinculado à investigação sobre as cartas infectadas com antrazenviadas pelo correio no ano passado. Os envelopes infectados que circularam dias depois dos atentados de 11 de setembro causaram a morte de cinco pessoas e deixaram outras 19 enfermas nos EUA. Hatfill, especialista em armas biológicas, foi indicado pelo FBI como pessoa "de interesse" para a investigação. Seu apartamento, situado próximo à base do Exército em Fort Detrick, no estado de Maryland, foi invadido duas vezes poragentes. O cientista de 48 anos assumiu em julho último o cargo de professor do Centro de Pesquisas e Formação em Ciências Biomédicas da Universidade Estadual de Louisiana (LSU). Mas em 2 de agosto, quando seu nome foi vinculado às investigações do FBI, a faculdade deixou de utilizar seusserviços, embora tenha mantido seu salário. "A universidade não emite nenhum julgamento sobre a culpabilidade ou inocência do professor Hatfill com respeito àsinvestigações do FBI", indicou o reitor da instituição de ensino, Mark Emmert, através de uma declaração. "Nosso interesse é manter a possibilidade de a universidade desenvolver seu papel e missão como centro de estudos estatal. Considerando este objetivo, chegou-se à conclusão de que a LSU quer terminar sua relação com Hatfill", acrescentou Emmert. Hatfill, por sua vez, depois de responsabilizar Ashcroft e o FBI por terem arruinado sua vida, acrescentou: "Não entendo por quê implicaram comigo". O FBI colocou o nome de Hatfill ao lado dos de outros 30 cientistas que sabem como lançar um ataque com antraz.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.