Cientista dos EUA é responsável por antraz, acusa Greenpeace

Um cientista do programa de armas químicas dos Estados Unidos é o responsável pelos atentados com antraz, denuncia a organização ambientalista Greenspeace na última edição de sua revista publicada na Alemanha. Segundo a revista, Washington teria em poder informações sobre o suposto responsável e sobre um laboratório secreto de onde teriam saído os esporos de antraz. O objetivo do autor dos atentados, segundo a Greenpeace, era o de aumentar as verbas do Estado para as pesquisas sobre armas bacteriológicas. A revista informa que, ao que parece, o responsável não tinha a intenção de matar ninguém. A publicação se baseia em informações de membros da delegação norte-americana na conferência da ONU em Genebra sobre armas químicas, além de cientistas independentes presentes à conferência. A revista cita em particular Barbara Rosenberg, uma bióloga norte-americana consultora do ex-presidente Bill Clinton, e o especialista em armas químicas de Hamburgo Jan van Aken, que concordam em dizer que os esporos de antraz contidos nas cartas não são do Oriente Médio. Cinco pessoas morreram depois de entrarem em contato com as cartas com antraz enviadas nos Estados Unidos. Leia o especial

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.