Cientista iraniano diz que CIA ameaçou o entregar a Israel

Segundo Amiri, agência americana lhe ofereceu US$ 50 milhões para fazer propaganda contra o Irã

Agência Estado

15 de julho de 2010 | 08h25

TEERÃ - O cientista iraniano Shahram Amiri, que acusou os EUA de terem o mantido sequestrado durante mais de um ano, afirmou nesta quinta-feira, 15, ao retornar ao Irã, que os americanos ameaçaram o entregar a Israel caso não colaborasse com as investigações da Agência Central de Inteligência (CIA, na sigla em inglês).

 

Veja também:

linkEUA pagaram US$ 5 milhões ao cientista

 

Amiri fez as acusações ao chegar ao aeroporto internacional de Teerã após os 14 meses que ele diz terem sido de cativeiro, segundo a agência semi-oficial iraniana Fars".

 

O cientista, que desapareceu há mais de um ano durante viagem de peregrinação à Arábia Saudita, acusou os serviços secretos sauditas e americanos de terem o sequestrado e levado aos EUA contra sua vontade. "Os agentes de serviços secretos dos EUA e da Arábia Saudita me sequestraram junto a meu hotel em Medina (Arábia), e depois me levaram a um paradeiro desconhecido e doparam para que desmaiasse antes de ser levado aos EUA em um avião militar", disse.

 

Amiri também acusou as autoridades norte-americanas de tentar obrigá-lo, mediante tortura, a fazer confissões falsas sobre o programa nuclear iraniano. "Pediam que dissesse publicamente que tinha pedido asilo nos EUA ao trazer um computador portátil com informações sobre o programa nuclear iraniano com fins militares", disse.

 

Além disso, disse, o ofereceram US$ 10 milhões por uma entrevista na rede televisiva CNN para dizer que tinha pedido asilo nos EUA e outra oferta de US$ 50 milhões por não voltar ao Irã.

 

O cientista iraniano desmentiu, por outro lado, ter relação com os programas nucleares nas instalações iranianas de Fordu ou Natanz. "Eu fui um investigador (nuclear) na universidade e talvez uma pessoa normal tenha mais informação que eu sobre Natanz", acrescentou.

 

Amiri também disse que a CIA lhe ofereceu US$ 50 milhões para permanecer nos EUA. Ele nega ter recebido a quantia, mas o jornal americano Washington Post diz que o iraniano recebeu a quantia de US$ 5 milhões.

 

Amiri desapareceu em meados de 2009 na Arábia Saudita, e as autoridades iranianas acusaram os serviços secretos sauditas e dos EUA de o terem sequestrado.

 

No início de junho deste ano, a televisão iraniana transmitiu uma gravação de vídeo de baixíssima qualidade na qual uma pessoa, que afirmava ser Amiri, dizia ter sido sequestrado na Arábia Saudita e levado aos EUA contra sua vontade por agentes de serviços secretos americanos.

 

Pouco depois, outro vídeo, publicado no YouTube, mostrava um homem que supostamente seria Amiri, que negava ter relações com o programa nuclear iraniano e afirmava ter viajado voluntariamente para os EUA para seguir seus estudos.

Tudo o que sabemos sobre:
IrãEUAcientistasequestroCIA

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.