Cientista pró-Taleban pode estar preso no Paquistão

Um cientista que ajudou o Paquistão a se tornar uma potência nuclear foi preso, segundo informações de sua família. O governo diz que Bashiru-Din Mehmood, que publicamente apóia o regime do Taleban no Afeganistão, está sob custódia. Parentes de Mehmood, que ganhou o prêmio paquistanês em 1998, disseram que a prisão aconteceu ontem por funcionários da inteligência do país. ?Não sabemos quais as acusações?, disse o filho do cientista, Asim Mehmood. Segundo ele, outros dois cientistas, amigos de seu pai, também estariam presos na cidade de Lahore. Mehmood informou sua família de que está bem disse seu filho. Outros membros da família disseram que ele trabalhou recentemente no Afeganistão, em projetos desenvolvimento, reforma educacional e alimentação da população empobrecida. Autoridades federais não quiseram falar sobre os motivos da prisão dizendo apenas que se trata de uma custódia preventiva. A lei paquistanesa dá às autoridades amplos poderes na detenção de pessoas sem acusação. Funcionários da Comissão de Energia Atômica do Paquistão disseram que Mehmood foi diretor do projeto nuclear do país e que se manteve nessa posição até sua aposentadoria, no ano passado. Sua ligação com grupos islâmicos e seus sentimentos pró-Taleban teriam chamado a atenção das agências de segurança paquistanesa nos últimos meses, disseram os mesmos funcionários, sob condição de anonimato. Abdul Majid, outro cientista preso ontem, também trabalhou com Mehmood em projetos de energia atômica. Militantes islâmicos têm organizado diversos protestos contra o governo desde o início dos ataques norte-americanos ao Afeganistão. Alguns condenam a decisão do presidente, general Pervez Musharraf, de apoiar os Estados Unidos e dizem que sua permanência no poder está com os dias contados. A intranqüilidade política no Paquistão é particularmente preocupante para a comunidade internacional porque o país possui um poderoso arsenal de armas nucleares, como a Índia. Asim Mehmood disse que seu pai tem sido leal ao Paquistão e ?nunca disse nenhuma mentira a qualquer pessoa em sua vida. Ele sempre trabalhou pelo desenvolvimento do país?. Na semana passada, Mehmood propôs um cessar-fogo de três meses para resolver a situação no Afeganistão e encorajou os EUA a substituir os ataques aéreos por negociações. Leia o especial

Agencia Estado,

24 Outubro 2001 | 11h41

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.