Cientistas elogiam decisão dos EUA sobre células-tronco

Cientistas comemoraram a decisão do presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, de retirar restrições a investimentos federais para pesquisas com células-tronco embrionárias. Com a alteração anunciada ontem, a comunidade científica espera que mais dinheiro seja destinado para a busca de novos tratamentos. "É incrível, estamos maravilhados", disse Jan Nolta, diretor do programa de pesquisas em células-tronco da Universidade da Califórnia em Davis. "Agora que podemos usar fundos federais, as coisas ocorrerão muito mais rapidamente."Diretores de programas universitários envolvidos com pesquisas com células-tronco afirmam que mais dinheiro significará mais empregos nos laboratórios, especialmente para estudantes em início de carreira. Pesquisadores e empresários ligados à biotecnologia também esperam mais trabalho. O executivo-chefe da BioTime Inc., Michael West, disse esperar um aumento na demanda por linhagens de células-tronco. A empresa de West, sediada em Everyville, comercializa esse material. Além disso, disse, agora os investidores privados terão menos temor de investir na área.Em 2001, o então presidente George W. Bush limitou o dinheiro federal para pesquisas com células-tronco humanas embrionárias a 21 linhagens preexistentes, ou a famílias de células derivadas de embriões individuais. De acordo com Nolta, sob essas regras, cientistas teriam de garantir que os fundos federais não seriam usados nem mesmo para comprar canetas usadas para escrever observações em experimentos com células não aprovadas.A ordem executiva de Obama permite que pesquisadores que recebem dinheiro federal usem centenas de novas linhagens de células-tronco embrionárias. A reversão significa mais US$ 10 bilhões para pesquisas na área de saúde, no plano de estímulo que Obama deve destinar aos trabalhos com células-tronco. O grupo de Nolta, por exemplo, planeja usar essas células para pesquisas sobre tratamento do Mal de Parkinson, da doença de Huntington e de problemas no fígado.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.