Cinco civis indianos morrem em confrontos na fronteira com Paquistão

Cinco civis indianos foram mortos e pelo menos 25 ficaram feridos nesta segunda-feira em confrontos ao longo de um trecho da disputada fronteira da Índia com o Paquistão na região da Caxemira, o maior número de vítimas desde que a Índia cancelou uma rodada de negociações de paz no mês passado.

FAYAZ BUKHARI, REUTERS

06 de outubro de 2014 | 08h20

A região himalaia da Caxemira tem sido um ponto de discórdia entre Índia e Paquistão desde que os dois países se tornaram independentes da Grã-Bretanha em 1947. Eles já travaram três guerras e chegaram perto de uma quarta em 2001. Além disso, há enfrentamentos esporádicos ao longo da fronteira de fato, conhecida como Linha de Controle.

Forças paquistanesas bombardearam o vilarejo de Arnia situado a cerca de 3 quilômetros da fronteira, nas primeiras horas desta segunda-feira, matando e ferindo os civis, de acordo com Rakesh Kumar, um inspetor-geral das forças de segurança indianas na fronteira.

O ataque coincidiu com a cerimônia do Eid al-Adha, celebrada pelos muçulmanos em ambos os países. O Exército do Paquistão não respondeu imediatamente aos pedidos de comentários.

Outra autoridade da Índia, o tenente-coronel Brijesh Panday, disse que o Exército matou três militantes paquistaneses que tentavam atravessar a Linha de Controle, que está fortemente militarizada. Dois militantes escaparam para o Paquistão, disse ele.

Separatistas muçulmanos vêm combatendo as forças de segurança da Índia na parte indiana da Caxemira desde 1989. O Paquistão rejeita as acusações indianas de que treina e armas os rebeldes na parte da Caxemira que controla e os envia para o lado indiano.

Tudo o que sabemos sobre:
INDIAPAQUISTAOCONFLITO*

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.