Cinco civis morrem no pior confronto em anos entre Índia e Paquistão na Caxemira

Cinco civis morrem no pior confronto em anos entre Índia e Paquistão na Caxemira

Trégua de fronteira havia sido iniciada em 2003

REUTERS

08 de outubro de 2014 | 09h54

Cinco civis foram mortos e milhares saíram em busca de refúgio na disputada região da Caxemira nesta quarta-feira, após alguns dos mais intensos combates em uma década entre os vizinhos Índia e Paquistão, ambos potências nucleares.

Um total de nove civis paquistaneses e oito indianos já foram mortos desde que os confrontos começaram há mais de uma semana na região do Himalaia de maioria muçulmana. A Caxemira é reivindicada por ambos os países e tem sido um grande foco de tensão no sul da Ásia.

Cada lado acusa o outro de ter civis como alvo e de cometer violações em um trégua de fronteira que se mantém desde 2003.

Embora as trocas esporádicas de fogo sejam na fronteira de fato que divide a região, mortes de civis são raras. Três civis paquistaneses e dois indianos foram mortos na quarta-feira.

“Estamos todos preocupados e queremos uma solução rápida para isso (os confrontos)”, disse o chefe da Força Aérea indiana, Arup Raha, a repórteres. “Não queremos deixar essa questão ficar séria."

Um oficial de segurança de fronteira disse que forças indianas haviam retaliado ataques com metralhadores e morteiros sobre cerca de 60 posições que percorrem mais de 200 quilômetros na fronteira.

Cerca de 18 mil civis indianos deixaram suas casas nas terras baixas ao redor de Jammu devido ao confronto, e se abrigaram em escolas e acampamentos de refugiados.

“Se tropas da Índia e do Paquistão forem hostis, deixe-as lutarem. O que nós fizemos para eles?”, disse Gharo Devi, de 50 anos, em Arnia, onde cinco civis foram mortos na segunda-feira.

“Nós deixamos nossas casas na calada da noite e estamos vivendo em uma escola, em difícil condição. Não temos comida. Queremos o fim dos disparos para que possamos retornar para casa."

O general paquistanês Khan Tahir Javed Khan disse que o número de salvas de morteiro e balas disparadas cresceu nas últimas semanas.

“É o mais intenso em décadas”, disse Khan sobre o confronto. “Minha mensagem para eles seria que por favor retrocedam (na escalada da situação)."

O confronto acontece em uma época de mudanças nas dinâmicas de poder no sul da Ásia, com o Exército do Paquistão assumindo um papel mais assertivo na política e o novo primeiro-ministro nacionalista da Índia, Narendra Modi, prometendo uma política externa mais firme.

Tudo o que sabemos sobre:
INDIAPAQUISTAOCAXEMIRAMORTOS*

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.