J. David Ake/AP
J. David Ake/AP

Cinco coisas que você precisa saber sobre as eleições nos Estados Unidos

Analista aponta fatores que serão decisivos no pleito; primeiro debate acontece hoje

BBC

03 de outubro de 2012 | 18h18

DENVER, COLORADO - A campanha presidencial nos Estados Unidos toma impulso nessa quarta-feira, 3, com a transmissão, pela TV, do primeiro debate entre Barack Obama e Mitt Romney. Um mês antes de os americanos irem às urnas, em 6 de novembro, a BBC explica cinco questões centrais nessas eleições.

 

Veja também:

linkRomney conta com debate para reviver campanha republicana

blog 'Estado', YouTube e CNN transmitem debate hoje

tabela COBERTURA ESPECIAL: Eleições nos EUA 2012

 

1. Economia, o grande tema. Cerca de 80% dos eleitores dizem que a economia terá grande influência na maneira como vão votar, segundo uma pesquisa publicada na semana passada pela empresa Rasmussen Reports. "O assunto mais importante é a economia, e empregos são apenas uma parte - muito importante - disso", disse o fundador da empresa, Scott Rasmussen. "E não é algo que preocupa apenas os desempregados - 28% dos trabalhadores temem perder seu emprego em breve", diz. "E tem o mercado imobiliário. Apenas 47% dos que possuem casa própria acham que a casa vale mais do que a hipoteca, o que é um índice inacreditável nos EUA. Nos ensinaram que íamos crescer, comprar uma casa e ver seu valor subir", disse. "Tantas pessoas se sentem traídas".

 

Os ex-presidentes Jimmy Carter e George Bush (o pai), que governaram durante um único mandato cada, deixaram a Casa Branca em períodos de deterioração econômica. Tanto que a campanha do sucessor de Bush, Bill Clinton, tornou famoso o slogan "É a economia, estúpido". O desemprego continua acima dos 8% há 43 meses e a dívida federal passou dos US$ 16 trilhões, levando muitos comentaristas a se perguntarem por que Obama não está atrás nas pesquisas. Ou a questionarem se a economia seria mesmo um tema tão importante quanto os eleitores dizem ser.

Os números não são apenas negativos, disse Rasmussen. "Os americanos não sentem que estão melhores do que estavam há quatro anos, mas tampouco sentem que estão piores, é por isso que a eleição está tão competitiva". Mas o fato de o presidente liderar as pesquisas não quer dizer que a economia não seja uma questão importante, acrescentou. Muitas pessoas que rejeitam Obama não estão certos de que Romney faria melhor. Além disso, muitos americanos ainda culpam o antecessor George W. Bush, republicano, pelos problemas econômicos.

 

2. Apenas alguns Estados realmente importam. Tudo depende dos chamados swing States (Estados-pêndulo), onde se trava a verdadeira batalha. Isso porque grande parte dos Estados Unidos é democrata ou republicana, e há pouca probabilidade de mudanças nesses locais. Ohio, cujo índice de desemprego está abaixo da média nacional, tem a reputação de líder nacional: em cada eleição desde 1960, o Estado vem selecionando o candidato vitorioso nas eleições presidenciais. Os gastos de ambos os partidos com suas campanhas nesse Estado, com 18 votos de colégios eleitorais, chegam a dezenas de milhões de dólares.

 

Residências situadas em Ohio vêm recebendo chamadas telefônicas automatizadas falando sobre as campanhas duas vezes por semana nos últimos seis meses. E todas as noites o horário nobre na televisão é dominado por anúncios políticos. "Morei em seis Estados diferentes e nunca vi tal saturação na TV, rádio e outras mídias", disse Tim Gaddie, de 37 anos, estudante da Bowling Green State University, em Ohio. "Na última eleição, estava em Indiana e aqui o envolvimento é definitivamente maior. A coisa mais irritante são os telefonemas, mas também têm seu lado bom. Acho bom que as pessoas se importem, se envolvam e queiram ter uma discussão".

Existem dois Estados Unidos durante a campanha eleitoral: um onde é difícil escapar do bombardeio dos slogans e mensagens das campanhas e outro onde a vida segue quase normalmente.

 

3. O eleitorado está mudando. A cada mês, 50 mil hispânicos ganham o direito ao voto nos Estados Unidos. A comunidade ultrapassou a marca dos 50 milhões em 2010 e corresponde hoje a 16,3% da população nacional. Que significado terá o crescimento da população hispânica para os Estados Unidos? Esta é a primeira eleição em que ambos os candidatos apareceram em canais de televisão em língua espanhola, participando de um fórum sobre imigração.

Em 2008, Obama obteve 68% dos votos da população hispânica e deve conseguir mais ou menos o mesmo apoio dessa vez, disse Gabriel Sánchez, especialista em política hispânica da Universidade do Novo México. "A questão não é se Romney pode conseguir votos latinos suficientes para vencer, mas se o comparecimento dos latinos vai ser alto o suficiente para o presidente vencer".

Conscientes de que a linha dura de Romney em relação à imigração pode estar custando caro em matéria de votos, republicanos influentes como Jeb Bush pediram que o candidato modere o tom quando falar sobre esse assunto.

 

4. Não se trata apenas de Estados Unidos. A política externa ainda é tida como um assunto de segundo plano entre eleitores americanos, embora o assassinato, em setembro, do embaixador americano na Líbia, Christopher Stevens, tenha empurrado o tema mais para cima na agenda da campanha. Agora, Irã, Israel e Afeganistão estão sendo amplamente discutidos na imprensa americana. Romney, acusado de oportunista ao atacar Obama após a morte de Stevens, disse que o presidente tem sido muito brando no trato com o Irã e que traiu Israel.

Ele também jurou que vai falar duro com a China em relação ao que chamou de "manipulação da moeda", aumentando as chances de que haja uma guerra de comércio. "Em um eleitorado tão grande e diverso como o americano, haverá sempre um assunto quente de política exterior", disse Shaun Bowler, professor de ciência política da Universidade da Califórnia em Riverside. "Por exemplo, você talvez veja árabes americanos muito motivados por discussões sobre a questão palestina, ou cubanos americanos motivados por políticas em relação a Cuba. No clima atual, ainda há espaço para que a política externa desempenhe um papel".

Outros temas que podem "trazer a política externa para o centro das discussões", diz ele, são o programa nuclear do Irã e a reação de Israel, o conflito na Síria ou atentados terroristas.

 

5. Quem quer que seja o vencedor, prepare-se para mais impasses políticos. A eleição no dia 6 de novembro não escolherá apenas o presidente dos Estados Unidos. Todos os assentos na Câmara dos Representantes (deputados) e um terço dos assentos no Senado estão sendo disputados. Se por um lado essas disputas não têm recebido muita atenção, por outro podem ser decisivas para o sucesso do presidente eleito, seja ele Obama ou Romney.

Os republicanos controlam a Câmara e os democratas controlam o Senado. Então, a não ser que uma dessas instituições mude de lado, os impasses recentes podem continuar. O número de leis aprovadas em 2011 foi tão pequeno que criou-se o termo "do-nothing Congress" (em tradução livre, Congresso do faz nada). Essa inércia - que ganhou proeminência no ano passado, quando o Congresso americano não conseguiu chegar a um acordo de longo prazo sobre o teto da dívida pública do país - contribuiu para baixos índices de aprovação do Legislativo pela opinião pública.

 

BBC Brasil - Todos os direitos reservados. É proibido todo tipo de reprodução sem autorização por escrito da BBC.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.