Cinco guarda-costas do presidente iraquiano são mortos

Cinco guarda-costas do presidente iraquiano, Jalal Talabani, morreram na explosão de uma bomba na passagem do veículo no qual viajavam por Al-Azim, na província de Diyala, a nordeste de Bagdá. Neste sábado, a União Patriótica do Curdistão, liderada por Talabani, informou em comunicado que o atentado foi cometido na noite de quinta-feira, 2, e o alvo eram os guarda-costas, já que o presidente estava em Paris. A explosão deixou outros dois membros da equipe de segurança de Talabani feridos, acrescentou a nota. O Ministério do Interior do Iraque também informou neste sábado que dois guarda-costas do primeiro ministro iraquiano Nur al-Maliki ficaram feridos depois de um ataque na região de Yusefiya, 20 quilômetros ao sul de Bagdá, neste sábado. De acordo com o ministério, a escolta de Al-Maliki viajava, em comboio, de volta a Bagdá quando um grupo de homens abriu fogo contra os veículos. As duas vítimas viajavam em companhia de outros membros da equipe encarregada da segurança do chefe de governo iraquiano, explicou o ministério. Por outro lado, o capitão da polícia iraquiana, Ali La Hadi, afirmou que dois civis iraquianos foram mortos e outros cinco ficaram feridos ao serem atingidos neste sábado por um grupo que estava em um carro no bairro de Al Hamra, na região oeste de Bagdá. A violência persiste no país, apesar de o Ministério da Defesa ter decretado na sexta-feira o "estado de alerta" das Forças Armadas do Iraque por ocasião da divulgação no domingo da sentença contra Saddam Hussein e sete de seus ex-colaboradores. A decisão, que foi adotada após uma reunião de Al-Maliki com responsáveis das forças armadas e de segurança, inclui o cancelamento de todas as permissões dos oficiais e a chamada dos soldados na reserva.

Agencia Estado,

04 Novembro 2006 | 08h42

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.