Arif Ali/AFP
Arif Ali/AFP

Cinco mil pessoas protestam contra o Charlie Hebdo no Paquistão

A revista satírica francesa Charlie Hebdo publicou uma imagem do profeta Maomé chorando na capa de sua mais recente edição

MUBASHER BUKHARI, REUTERS

18 de janeiro de 2015 | 15h01

Cerca de 5 mil pessoas se reuniram na cidade de Lahore, no leste do Paquistão, para protestarem contra a revista francesa Charlie Hebdo, e o fundador de um grupo banido por ligações com a milícia terrorista convocou os manifestantes a boicotarem produtos franceses.

Hafiz Saeed, que fundou o Lashkar-e-Taiba, uma organização banida por lançar ataques à vizinha Índia, disse aos manifestantes: "Vamos lançar um movimento contra as caricaturas insultantes do nosso amado profeta".

A revista satírica francesa Charlie Hebdo publicou uma imagem do profeta Maomé chorando na capa de sua mais recente edição na semana passada depois que dois homens armados invadiram o escritório do veículo e mataram 12 pessoas. Os atiradores disseram que o ataque era uma vingança por charges anteriores tirando sarro do Islã.

Saeed incitou os comerciantes a pararem de importar produtos franceses e pediu que os líderes paquistaneses tentem colocar uma lei contra a blasfêmia para ser votada e aprovada internacionalmente.

A blasfêmia é passível de pena de morte no Paquistão.

Na sexta-feira, manifestantes que tentavam invadir o consulado francês na cidade de Karachi atiraram e feriram um fotógrafo que trabalhava para a agência francesa de notícias AFP.

Saeed convocou mais protestos para a próxima sexta-feira. Ele diz que não tem mais ligações com a milícia terrorista atualmente, e que apenas trabalha em uma ONG, também banida pelo governo norte-americano por supostamente ajudar o Lashkar-e-Taiba. Os EUA ofereceram 10 milhões de dólares por informações que levem à captura de Saeed.

Tudo o que sabemos sobre:
PAQUISTAOCHARILEPROTESTOS*

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.