Cinco soldados americanos morrem em ataque no Iraque

Cinco soldados americanos morreram na noite deste sábado e outros três ficaram feridos em Karbala (100 quilômetros ao sul de Bagdá) durante o ataque de uma milícia xiita.uma "milícia ilegalmente armada" atacou os militares americanos quando estes realizavam uma reunião para reforçar a segurança nesta cidade santa para os xiitas no momento em que estes viajam em massa à cidade para celebrar uma de suas festas mais importantes"."No momento do ataque, acontecia uma reunião para garantir a segurança dos peregrinos que participam das comemorações de Ashura", assinala em comunicado o general Vincent K.Brooks, vice-comandante-em-chefe da Divisão Multinacional de Bagdá.Embora o comunicado não diga que o ataque é obra de xiitas, o termo "milícia" se aplica a grupos armados desta confissão, em contraposição aos "insurgentes", "terroristas" ou "rebeldes", habitualmente usados para designar grupos armados sunitas.Os militares foram primeiro atacados com "fogo indireto" de morteiros, que deixou cinco mortos, e no tiroteio para repelir o ataque, outros três soldados ficaram feridos. As milícias xiitas, particularmente o "Exército Mehdi", fiéis ao clérigo radical Moqtada al-Sadr estão na mira nas últimas semanas e o Governo anunciou que pensa em acabar com elas, após ter tolerado sua atividade em razão do apoio que o próprio Muqtada dá a Nouri al-Maliki.Atentado mata seis e deixa 15 feridos em BagdáPelo menos seis pessoas morreram e 15 ficaram feridas na explosão de uma bomba no centro de Bagdá. Uma bomba que estava escondida nos assentos de um microônibus de transporte urbano - supostamente abandonada por um passageiroanterior - explodiu no começo da manhã na Praça Kahramana, no centroda capital.Os passageiros se dirigiam ao bairro vizinho de Kerrada quando o artefato explodiu, no momento em que o veículo começou a se movimentar.Em outro incidente, um carro-bomba explodiu na rua Palestina, no leste de Bagdá, e deixou uma pessoa morta e cinco feridas, segundo as mesmas fontes, que disseram não possuir mais detalhes.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.