Cinco suspeitos de matar cristãos são presos no Paquistão

Trabalhando lado a lado com os agentes do FBI, a polícia paquistanesa capturou hoje em um remoto campo de refugiados um homem que teria ligação com um comandante renegado afegão, enquanto em outra parte do país foram detidos cinco acusados de trabalhar com a rival Índia para sabotar as próximas eleições parlamentares.Mais de 100 membros da polícia antiterrorista, em conjunto com agentes do FBI, invadiram o campo de refugiados de Shamshatoo, 35 quilômetros a leste de Peshawar, na manhã de hoje, e detiveram Khan Mohammed, um afegão acusado pelas autoridades de ser o chefe de segurança do senhor de guerra Gulbuddin Hekmatyar. Quatro outros homens também foram presos no local.Todos os cinco estão sendo interrogados em conexão com três ataques recentes a cristãos e ocidentais. Em setembro, sete trabalhadores humanitários cristãos foram mortos no escritório que mantinham em Karachi. Em agosto, homens armados atacaram uma escola missionária cristã perto de Islamabad e, em outra investida, militantes atacaram um hospital presbiteriano em Taxila, matando quatro enfermeiras."Dois paquistaneses que foram levados com três afegãos de um campo de refugiados fazem parte de um grupo de militantes sunita", afirmou um policial. Não estava claro se os afegãos pertenciam ao banido regime Taleban ou se faziam parte de outra organização, disse a polícia.O ataque ao escritório de Karachi e outros atos de violência contra ocidentais e cristãos foram atribuídos ao grupo Harakat ul-Mujahedeen Al-Almi. A polícia de Karachi prendeu 23 membros do grupo. As autoridades não chegaram a afirmar se, entre os homens presos hoje, há algum que faz parte desse grupo.Pelo menos 37 pessoas foram mortas e cerca de 100 ficaram feridas em vários atos de violência contra cristãos e ocidentais nos últimos meses. Cerca de 3,8 milhões de cristãos, que representam 2,5% da população, vivem no Paquistão. Noventa e seis por cento da população paquistanesa é muçulmana.Também hoje, autoridades anunciaram a detenção de pelo menos cinco homens acusados de manterem ligações com a agência de inteligência indiana, que estariam planejando sabotar as próximas eleições parlamentares do Paquistão, as primeiras desde que um golpe de Estado em 1999 levou ao poder o atual presidente general Pervez Musharraf. As detenções ocorreram em Rawalpini, nas redondezas da capital. Os homens foram levados em um carro blindado da polícia a um distrito policial local.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.