Cineasta afegão é morto por investidor de cinema

Um cineasta afegão foi esfaqueado até a morte e espancado com um taco de sinuca durante uma briga com um de seus investidores, que então desmembrou a vítima e guardou sua cabeça na geladeira, informou hoje a polícia do Condado de Nassau, no Estado de Nova York. Jawed Wassel, de 42 anos, foi morto pouco antes da estréia do seu filme autobiográfico "Fire Dancer", na última quarta à noite. O acusado pelo crime, Nathan Chandler Powell, apareceu na estréia num cinema de Manhattan. Ele deveria receber 30% da bilheteria do filme e alegou ter matado Wassel por dinheiro. De acordo com a polícia, Powell confessou o assassinato depois de ter sido interrogado na última quinta-feira. Quando ele estava deixando a delegacia, escoltado por policiais, a única declaração que deu aos repórteres foi que "sentia muito". Powell, de 38 anos, foi indiciado por homicídio em segundo grau. Wassel passou seis anos trabalhando na realização do filme ?Fire Dancer?, que conta a história de um joem afegão que deixa seu vilarejo e se muda para Nova York. Wassel saiu do Afeganistão depois da invasão soviética de 1979, vivendo no Paquistão, Alemanha e França antes de se fixar em Nova York. Depois dos ataques terroristas ao World Trade Center, no 11 de setembro, Wassel percorreu a cidade para filmar homenagens a várias vítimas para um documentário intitulado "New York Shrines".

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.