ROSANE BEKIERMAN/AE
ROSANE BEKIERMAN/AE

Cineasta Fernando Solanas tentará presidência argentina

Diretor, atualmente deputado federal, se apresenta como 'o verdadeiro representante da esquerda'

Ariel Palácios, correspondente em Buenos Aires

08 de dezembro de 2010 | 09h15

BUENOS AIRES - O diretor de cinema e deputado federal Fernando "Pino" Solanas apresentou na noite da terça-feira, 7, sua candidatura presidencial para as eleições de outubro de 2011, na Argentina. O lançamento foi realizado em um comício no estádio de Ferrocarril Oeste, palco tradicional para lançamentos políticos de todo o leque partidário.

 

Solanas, que se define como o "real" representante da esquerda argentina, acusa a presidente Cristina Kirchner de ser uma "falsa" esquerdista e de ser aliada dos capitais estrangeiros, entre os quais companhias telefônicas e mineradoras.

 

O parlamentar e diretor de filmes cult como "Tangos, o exílio de Gardel" é o líder do Projeto Sul, partido que reúne representantes da esquerda, do sindicalismo e de organizações de defesa dos Direitos Humanos. Solanas, casado com a atriz brasileira Ângela Correa, conseguiu 25% dos votos na cidade de Buenos Aires nas eleições parlamentares do ano passado.

 

O líder do Projeto Sul - um dos poucos políticos argentinos de fama nacional que não está envolvido em escândalos de corrupção - propôs "desterrar a pobreza" e "instalar a ética pública no Estado argentino". O candidato da esquerda pretende ser uma das alternativas da oposição argentina contra o governo da presidente Cristina.

 

Na semana passada, o deputado federal Ricardo Alfonsín, lançou sua pré-candidatura pela União Cívica Radical (UCR), partido de centro. Ele é filho do ex-presidente Raúl Alfonsín (1983-89), que morreu no início do ano passado. Esta é a terceira vez que Solanas apresenta-se candidato à presidência da Argentina (as anteriores foram em 1995 e 2007). Mas, a hipótese de uma nova derrota nas urnas não intimida o diretor e político: "se não der em 2011, tentarei em 2015...".

 

Governo

 

O ex-presidente Néstor Kirchner era o candidato do governo até o dia 27 de outubro, quando faleceu por conta de uma parada cardíaca. Kirchner era considerado o verdadeiro poder no governo de sua mulher, a presidente Cristina Kirchner, além de ser o presidente do partido governista, o Justicialista (também conhecido como "Peronista").

 

Rapidamente, os principais aliados do governo começaram a divulgar a candidatura da presidente Cristina à reeleição. Na semana passada, o chanceler argentino Héctor Timerman sustentou que a candidatura de Cristina Kirchner é a "opção natural" para o governo. Além disso, afirmou que o "povo" deseja que ela fique no poder por mais tempo.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.